igreja cristã maranata – A PALAVRA MATA MAS O ESPÍRITO VIVIFICA? – o que esse versiculo realmente significa?

“A PALAVRA MATA MAS O ESPÍRITO VIVIFICA?”

Este verso vem sendo citado pelos anti-intelectuais tentando passar a imagem de que o conhecimento e o estudo teórico das Escrituras mata, porém, as experiências (que em sua maioria são emocionais e não espirituais concretas) vivifica e dá nos a vida.
Porém, como todo versículo fora de contexto é pretexto para heresias, vamos analisar esta passagem também e entendermos o que o autor da epístola (Paulo) queria dizer ao público do qual ele escreveu isto.

Vejamos:

“E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus, o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica. Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fixar os olhos no rosto de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual se estava desvanecendo, como não será de maior glória o ministério do espírito?” 2 Co 3:6-8

É evidente que a “letra” à qual o apóstolo está se referindo são os dez mandamentos ou a lei como um todo, que foi dada a Israel com o propósito de provar o homem e revelar ser ele incapaz de seguir a lei. A Lei, portanto, é o sinal de contra-mão e nós aquele enorme caminhão entalado na rua estreita. Assim como faz o sinal, ela nos mostra que estamos na contra-mão e que nada podemos fazer de nós mesmos para sair disso, a não ser por uma obra de Deus. É aí que entra a graça, é aí que entra Cristo morrendo no lugar do pecador.

Portanto, quando o apóstolo diz que “a letra mata”, ele está dizendo que a lei tem o papel de condenar apenas, não pode dar vida. A letra da lei é a lente de aumento que revela o quanto sou mau e pecador. Um trecho de Romanos esclarece melhor isso:

“Pois, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, suscitadas pela lei, operavam em nossos membros para darem fruto para a morte. Mas agora fomos libertos da lei, havendo morrido para aquilo em que estávamos retidos, para servirmos em novidade de espírito, e não na velhice da letra. Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Contudo, eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás. Mas o pecado, tomando ocasião, pelo mandamento operou em mim toda espécie de concupiscência; porquanto onde não há lei está morto o pecado. E outrora eu vivia sem a lei; mas assim que veio o mandamento, reviveu o pecado, e eu morri; e o mandamento que era para vida, esse achei que me era para morte. Porque o pecado, tomando ocasião, pelo mandamento me enganou, e por ele me matou. De modo que a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom. Logo o bom tornou-se morte para mim? De modo nenhum; mas o pecado, para que se mostrasse pecado, operou em mim a morte por meio do bem; a fim de que pelo mandamento o pecado se manifestasse excessivamente maligno”. Rm 7:5-13

Concluímos portanto que neste trecho, Paulo está comparando a glória do velho pacto (AT/Lei) com a GRAÇA do NT dada por meio de Cristo. A lei santa foi dada por um Deus perfeito, à um homem pecador e falho, justamente para mostrar a pecaminosidade do homem e sua total incapacidade de se justificar/se salvar pelas obras da lei (Rm 7:5-13). Portanto, a lei (simbolizada por letra gravada em tábuas de pedra pelo apóstolo), serve para mostrar o estado decaído do homem. A letra (lei) mata, pois ninguém é justificado por ela, ela condena o homem. Somente pela graça dada por meio de nosso Senhor Jesus Cristo é que somos justificados e salvos em Seu Nome. Aqui na passagem, usada a expressão “o Espírito vivifica” enfatizando a graça/regeneração/novo nascimento e a lei escrita no coração (2 Cor 3.3) que veio no novo pacto mediado por Cristo Jesus.
Amém.”

Por Leonardo Henrique Mazzo

"A PALAVRA MATA MAS O ESPÍRITO VIVIFICA?"
CUIDADO com a versão que gedelti e outros hoje “pregam” pelo Brasil – essa é a versão do pastor da morte jim jones que andou aqui espalhando as heresias dele na decada de 60!

maranata – o rap "diga não à seita!" – de MC Alandati

O RAP “DIGA NÃO À SEITA”!

o rap da maranata

o rap da maranata

Você sabe o que é um fake?

Vou agora lhe dizer:

Pois há muitos dessa estirpe

Lá no blog do CV!

É um termo estrangeiro,

mas fácil de entender.

Não é nada verdadeiro,

Só o esperto para saber!

Definição do dicionário,

Ninguém pode escapar

Um tremendo de um falsário,

Só querendo enganar!

Preste muita atenção

No que agora vou falar:

Saia da formatação

Que a obra quer te dar!

Essa obra é do mal

Pois não desce nem com sal.

O mistério além da letra

Só esconde é mutreta!

Até quando dura o sono?

Por que insiste em não acordar?

Gedelspapa que é o dono

Dessa obra de enganar!

Vou terminar essa canção

Com a verdade, ninguém peita:

Deixe essa ilusão

E “diga não à seita”!

É, Diga não àSeita!

É, Diga não àSeita…

By Rapper Alandati (É nóis!)

Publicado em http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/03/liberdade-de-expressao/comment-page-1/#comment-18124

fonte: http://diganaoaseita.wordpress.com/2012/10/05/o-rap-diga-nao-a-seita

igreja cristã maranata – O rabo do Diabo está metido nisto

“…o fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois fios.”  (Pv. 5.4)

Dura verdade! Ávidos de aprenderem a caminhar pelos meandros dos mistérios da Obra, cada encantado com a Obra Maravilhosaadquire certeza da necessidade dos encontros do Maanain. Dois, no máximo três dias nos seminários de fins de semana… Então, em Nome de Deus, começa a ação esquizofrênica dos líderes do maranatismo-monárquico-pseudocarismático na mente dos principiantes.

Encantados! (Assim como os idólatras e ignorantes cruzam as fronteiras em direção ao morro do Horto em Juazeiro do Norte-CE para pagar promessa em honra ao Padim Ciço. Este Cícero Romão Batista, dentre os cearenses o mais respeitado e temido, marcou a história dos nordestinos por obra e graça da idolatria ocultista e papista que reina na ICAR, espertíssima em fazer dos católicos a exclusiva massa da manobra multifuncional dos papas.)

Encantados com a promessa de estarem sob a proteção de miríades de anjos em local sagrado (alguns afirmam haverem visto anjos mais altos do que o monte fronteiriço), os icemitas principiantes começam a crer na crença do chefe muito religioso e monarca quadragenário, o augusto criador do Ídolo-Obra. E logo aprendem: Nesta Obra manda quem pode e obedece quem tem juízo. Esta ameaça desalentadora ecoa do berrante do dono do rebanho e por trás do trono do mais valente dos valetes (escrevi valetes).

Engolir apostilas e aulas dissimuladas em heresias é angustiante. Com ambigüidades, espiritualização de frases fora do conteúdo e do contexto geral das Escrituras e o gasto e inchado tipologês. No início da aula oclamor esquizofrênico, ilícito e precipitado, onde, em vão, o Nome do SENHOR é invocado.

Erro em cima de erro! De certo modo, cada capítulo do erro está atrelado ao outro formando um monturo nebuloso e ocultista. Imbróglio imposto com ênfase no jargão mistérios da Obra. Negrumes e sombras!

Escravidão causadora de estertores da morte espiritual e ruinosa ao redor do Ídolo-Obra, a ponto de gerar milhares de cegos espirituais incapazes de enxergar, e de examinar as Escrituras Sagradas, e de exercerem fé no “evangelho da graça de Deus” (At. 20.24). Mas continuam grávidos do maranatês, por exemplos: alcançar a revelação; descaracterizar a Obra; entendimento de Obra; falar mal da Obra; fazer parte da Obra; fora da revelação; imagem da Obra; mentalidade de Obra; não entendeu a revelação; padrão da Obra; sair da Obra; sem-revelação etc.

Esta conspurcação doutrinária herética e ocultista impõe à membresia arrolada nas unidades locais a obrigação de andar e continuar andando no centro do erro. Deste modo, os freqüentadores do palácio da rainha desfigurada (“quem lê entenda”) estão acostumados a engolir adoutrina revelada além da letra, sem saber o amargoso que os espera…

Finalmente, os aprendizes desse imbróglio religioso foram feitos massa de manobra que glorifica os grandes e poderosos valetes (escrevi valetes) que andam ao redor do erro, capazes de apedrejar os crentes Estêvãos que denunciam o abismo da heresia, o acúmulo de bens, o adultério da poderosa rainha desfigurada , o corporativismo da elite, o desvio de dinheiro, o estelionato ganancioso, o falso profetismo que corre nos cultos proféticos, os acordos com políticos raposas… e o pior da HERESIA ICEMITA:

1. as três primeiras das sete trombetas do Apocalipse já tocaram;
2. enquanto as trombetas ressoam o anjo joga do fogo do altar – o Espírito Santo – sobre as cabeças dos homens para que recebam com alegria as intervenções de Deus;
3. finalmente, a quarta trombeta vai tocar e num abrir e fechar de olhos a Igreja Fiel vai ser arrebatada.

Leia e entenda:

Obra resistindo ao Espírito Santo

O Desastre da Heresia Icemita

A Quarta Trombeta Soará

Nada de crença cristã fundamentada em ortodoxia; porém, religião sectarista que impõe a prevalência do DON (Doutrinas, Orientações e Normas do Presbitério cf. arts. 5º e 25 do Estatuto da ICM-PES) do monarca para o alto clero, e deste para o baixo clero, e deste para a membresia que deve obedecer… obedecer… e obedecer. O íntimo de cada um deles estremece ao som do “Não toqueis nos meus ungidos”.Leia e entenda: A noite já chegou para os icemitas

No centro da linguagem do não-pensamento  e ancoradouro do falso profetismo estão os Seminários da Obra nos Maanain‘s. Medula e ossos tremem. O faminto e sedento que ali abriu a boca, e engoliu capítulos inteiros da HERESIA ICEMITA, jamais conseguirá entender a compaixão, a graça, a sabedoria e o poder de Deus, enquanto estiver comprometido com as heresias impostas pelo Ídolo-Obra. Porque  a ardilosa linguagem do não-pensamento não lhe permite entender a ação do Espírito de de Cristo Jesus em batismo de fortalecimento em espírito e poder vivificante para testemunhar de Jesus conforme o padrão da Nova Aliança.

No entanto, o definitivamente formatado servo da Obra não passa de maluco-pela-obra ingresso na corrida insana, para saber qual deles é considerado fruto maduro e melhor para acesso ao cargo de enviado do presidente do sinédrio nas unidades locais do sistema. Exemplos de maluco-pela-obra aparecem nos comentários dos artigos doSeitamaranata (1).

O corporativismo entre os principais dos sinedritas existe por falta de Regimento Interno, a ponto de alguns defenderem interesses mercenários e meramente pessoais, de olho no que está escondido em alguns cofres em alguns lugares… No aguardo da iminente implosãoalguns querem arrancar do trono, desde agora, o idoso e imponente monarca quadragenário que resiste e resiste…

O corporativismo, o falso ensino, o falso profetismo, o império do DONe o orgulho religioso é sistemático. Religiosidade e Sectarismo!

O gedeltismo ignorou o conhecimento e exercício da fé na Palavra de Deus; e conseguiu produzir uma paródia e perversão da Revelação original de Deus ao homem. Ora, esse “fogo estranho”, segundo as Escrituras, é desastre previsível. A BÍBLIA FOI TRAÍDA!

poder camaleônico é exigente e manda: ABSORVAM A OBRA!

O rabo do Diabo está metido nisto. Não duvide!

Sempre que o sinédrio se corrompe pelos imaginários plenos poderes, restam paixões, e perseguições, e retirantes, e segredos, e sombras, e subserviência, e tramóias…

NOTA

Frases em itálico aparecem em apostilas e aulas nos seminários da ICM-PES. Frases em itálico entre aspas pertencem à Versão Almeida, SBB ou outra indicada.

(1) Infelizmente, estes comentários foram perdidos.  Leiam os artigos do http://obramaranata.wordpress.com/

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/08/o-rabo-do-diabo-esta-metido-nisto/