igreja cristã maranata – A verdade tem que ser dita com todas as letras e bem grande A MARANATA É RACISTA, MALTRATA DEFICIENTES E É PRECONCEITUOSA em todos os sentidos

Atenção, icemitas, este artigo fala de discriminação e preconceitos que a maranata pratica descaradamente.
Portanto, leiam por favor os relatos, principalmente de Eurípia Inês, onde ela mesma foi humilhada por ter deficiência, surdos desconsiderados…
Essa obra alem de mentirosa é preconceituosa.
A verdade tem que ser dita com todas as letras e bem grande A MARANATA É RACISTA, MALTRATA DEFICIENTES E É PRECONCEITUOSA em todos os sentidos

fonte:http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-14429

maranata – meu namorado é deficiente fisico – amamos a obra de cara e nos entregamos a tudo q nos oferecem sem questionar

irmaos,
eu e marido convertemos juntos na icm, viemos do mundo em um namoro de 3 anos, e proucuravamos uma igreja pois iamos constituir uma familia, o casamento para nos era questao de tempo. vamos aos detalhes: meu namorado é deficiente fisico ( hoje eu brinco com ele: voce `e todo estrupiado) iniciou nosso calvario, amamos a obra de cara e nos entregamos a tudo q nos oferecem sem questionar, queriamos nos casar demais, as familias concordavam todo mundo queria o casamento, ate que fomos comunicar a igreja…

nem vou me alongar nos detalhes, eu num tinha 15 anos, sabia o q tava fazendo eu amava demais e de verdade aquele homem e era reciproco. éramos maduros eu com 30 e ele 35… qual problema?

mas na icm aparencia conta muito, quase enlouqueci, muitos dons contrarios, ate ouvi (vc merece coisa melhor) e marcamos a data. batemos o pe e dons q num acabam mais, eu chorava ele triste.

um dia fui pedir opniao a pessoa q a igreja nao aconselharia… meu avo nao era crente, era muito catolico mas era meu avo, simples homem q me amava. perguntei a ele sobre minhas duvidas. Eis o conselho: pode casar minha filha esse moco vai te fazer muito feliz seu casamento vaidar certo ele e pedra 90, feijao sem bicho (foram essas palavras mesmo).

casei fora da igreja, fizemos um festao nao convidei os irmaos, 1 mes depois voltamos p a igreja ( amavamos a obra) tinhamos um carrinho, ai meu marido funcionario publico, passou num concurso e foi promovido. Ele me deu de presente um carro zero.

ai pronto eu tava com ele por causa de dinheiro… mais tristezas, magoas. engravidei(povinho ordinario) daos q meu bb ia nascer deficiente, por isso nao sofri, pq se amava o marido deficiente, imagine um filho? Esse povo num entende esse tipo de amor.

mas no 1 ultasson a criança era perfeita. No dia que ela nasceu, era a menina mais linda da maternidade, nao sei pelos problemas do meu marido mas todos queriam ver minha filha. a minha familia e a dele ficamos apaixanados com a criança e no hospital decidimos procurar outra igreja ( acordamos!!!). hoje temos 3 filhos lindos, perfeitos, sadios, somos um casal no minimo DIFERENTE e o que isso importa? trabalhamos, nos sustetamos servimos ao Senhor (na icm nao!!) e graças a Deus q dei ouvidos a pessoa certa e nunca duvidei, q o foi o Senhor q constituiu o meu lar. apsj atodos

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-13994

maranata – eu li os comentarios acerca de preconceitos vivenciados na ICM. Fiquei estarrecido e confesso que jamais vi tamanha maldade nem por parte do mundo

Meus irmaos
eu li os comentarios acerca de preconceitos vivenciados na ICM. Fiquei estarrecido e confesso que jamais vi tamanha maldade nem por parte do mundo.

se vc chegar em qualquer farmacia deste pais e pedir um analgesico, com certeza te darao quanto mais um pedaço de esparadrapo. Mas eu queria um pouco a respeito da minha vida, eu sofri por parte de um sujeito que na condiçao de ungido do sinhô uma perseguiçao implacavel que acabou por me deixar sem o diaconato e quase me embrenhar de corpo e alma no mundo, este sujeito tem uma pousada na chegada de Jacaraipe – ES, e por conta dessa perseguiçao, fui acometido de enfermidades que ate hoje nescessito de tratamento, primeiro surtei, sai de casa sem destino e fui parar em Teresina – PI, mas graças a Deus pelo fato de ser PM, fui acolhido num quartel da PM do Piaui, tendo sido feito contato e minha esposa e ela ido me buscar naquele estado, totalmente transtornado e sem ter noçao do que estava fazendo.

Amados foi muito sofrimento, sem falar a vergonha diante dos irmaos da igreja e da minha familia, e nunca fiquei sabendo o que realmente aconteceu. Hoje sofro de labirintite, pressao alta, insonia e tomo remedios controlados, aquilo que eu mais amava, que era estar na presença do senhor, servindo como obreiro, me foi tirado de uma forma covarde e traiçoeira, quase perdi minha familia, mas o Senhor operou de uma forma tao eficaz, pois fez que minha esposa suportasse todo o peso do meu sofrimento e ficou do meu lado, orando pela minha vida, e sem perguntar nada, nao sei o que aconteceu e nunca mais tive noticias do meu algós, mas uma coisa eu sei, Deus tem cuidado de mim, pois continuo na sua presença, os milagres tem acontecido a cada dia, o sofrimento , depois de alguns anos tambem se foi e hoje glorifico a Deus por estar vivo e na sua presença, nao fui socorrido, por homem nenhum, mas pelo proprio ESpirito Santo, que com sua graça e o seu amor me deu todos os livramentos que precisa.

Fica meu testemunho para aqueles que se sentem perseguidos por estes falsos pastores, Irmaos nao desanimem, confiem no Senhor, Deus vai cuidar de tudo. COM A MEDIDA QUE MEDIRDES SERA MEDIDO, E AINDA VOS SERÁ ACRESCENTADO

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos/#comment-13035

maranata – Ela falou que sempre sofreu preconceito e discriminação. Chegou a pensar em denunciar a igreja às autoridades que fiscalizam essa questão

Este comentário do(a) irmão(a) Livre Livre, sobre a irmã de muletas, me lembrou um fato também que muito me indignou.
Foi no Maanaim de Brasília e com uma irmã deficiente também. Eu a encontrei no estacionamento. Ela parecia estar sentindo dor e eu percebi que ela havia chorado. Ela me pediu para segurar no meu ombro para sair dali e assim ela foi me contando que havia caído e que não conseguia andar onde tinha brita. Ela disse que já havia pedido para fazer vagas especiais nos estacionamentos mas não foi atendida. Disse também que foram muitas vezes que caiu, que por muitas vezes foi humilhada por causa disso.
Eu reencontrei aquela irmã por muitas vezes naquele Maanaim e ela sempre me contava o quanto foi maltratada e os problemas que tinha com a falta da acessibilidade. Me pasmei numa dessas vezes que a vi, ela me disse que se fosse pelo tratamento que recebia da igreja, com relação à sua deficiência, ela jamais teria ficado na ICM. Ela falou que sempre sofreu preconceito e discriminação. Chegou a pensar em denunciar a igreja às autoridades que fiscalizam essa questão, mas não tinha coragem porque, segundo ela, “amava muito a Obra” e que não tinha coragem de fazer isso.
Agora penso comigo: O que aquela irmã não sabia era que a Obra nunca a amou.
Durante todo o tempo que passei em Brasília eu via aquela irmã trabalhando no Maanim. Ela era muito atuante. Me lembro que ela trabalhava ajudando um grupo de deficientes auditivos. Mesmo tendo dificuldades ela estava sempre disposta trabalhando.
Ela me disse muito mais coisas que sofreu na igreja com relação à deficiência, como falta de acesso e adaptações e inclusive nas mensagens. Não sei se essa irmã ainda continua na ICM.
Eu perdi o contato com ela. Espero que tenha saído, e espero também que o MP esteja atento a esses desmandos e com pessoas que deviam ter uma atenção diferenciada.
.
.
E agüentando discriminação, humilhação e preconeitos, apesar de deficiente servia aos demais; porém não era servida em coisas elementares como condições de acesso… Lamentável!

Enquanto a Constituição Federal busca do bem-estar de todos, sem discriminação de quaisquer tipos; e, da mesma maneira, o Código Penal Brasileiro determina como passível de punição os atos criminosos e de desrespeito causados por fatores discriminatórios, essa falta de cuidados especiais existe e testemunha contra o dono do rebanho e seus emissários.

Gritos de Obra!… Obra!… Obra!… Obra!… nada valem, enquanto o maranatismo oferece o “outro evangelho” e exige inquestionável OBEDIÊNCIA.

Paulo insistiu com Timóteo que considerasse as mulheres com testemunho de boas obras (1, 5.10). Queira Deus que no Dia do Senhor seja lembrado o bem que essa irmã fez aos demais.

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/discriminacao-e-preconceitos

maranata – seita que se diz igreja Cristã. Isso ela nunca foi. Se esta irmã escrever mesmo tudo o que ela passou vocês vão concordar comigo que esta instituição deveria ser processada por abuso espiritual, por discriminação à pessoas com deficiência e por falta do obediência às Leis

Amados irmãos e CV,

Sou de Brasília e conheço essa irmã que foi citada nos comentários de número 2 e 8 ambos do dia 08/06/12. Estive com essa irmã no domingo e ela me confirmou o que está escrito nesses comentários. Disse que alguns irmãos a procuraram fazendo muitas perguntas sobre esse acontecimentos.
Ela disse que, na verdade, isso é apenas uma pequena mostra do que realmente sofreu na ICM com respeito às pessoas com deficiência. São coisas terríveis, como preconceito, desrespeito e falta de acessibilidade.

Essa irmã já saiu da ICM. Disse que lutou por quase 20 anos para ser aceita ou se encaixar nos padrões tão altos, exigidos pela igreja. Nunca conseguiu! Falou que a grande loucura ou ingenuidade dela foi pensar que um dia se encaixaria ou seria bem recebida numa igreja tão perfeita e santa, sendo ela uma “aleijada”.

Quanta inocência! disse ela.

Essa irmã me disse muitas coisas, conversamos muito tempo mas uma coisa que me chamou muita atenção, foi quando ela falou sobre sua saída da ICM. Ela disse que só saiu quando não sentia mais nenhuma mágoa ou ódio de nenhum pastor ou irmão que a humilhou e maltratou. Disse que saiu em paz e que continua amando a todos que ficaram mesmo sabendo que a recíproca não é verdadeira.

Tentei encorajá-la a postar aqui, um relato completo de tudo que aconteceu para que todos saibam do que essa igreja é capaz. Ela ficou de pensar pois não quer fazer nada por mágoa ou revolta.

Irmãos, agora é que vemos onde nós estávamos. A gente não imagina o que nossos irmãos passam dentro dessa seita que se diz igreja Cristã. Isso ela nunca foi. Se esta irmã escrever mesmo tudo o que ela passou vocês vão concordar comigo que esta instituição deveria ser processada por abuso espiritual, por discriminação à pessoas com deficiência e por falta do obediência às Leis.

Outra coisa, em nenhum momento eu percebi rancor ou mágoa nas expressões dela, sendo que, pelo que me contou, teria motivos de sobra para estar revoltada. Ela, pelo contrário se mostrou serena, principalmente alegre.

Achei que seria importante postar isso aqui porque aqui em Brasília todos conhecem essa irmã mas acho que poucos sabem o que ela já sofreu nesta instituição que se diz Cristã.

Paz a todos.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/desertores-quem-sao-e-onde-estao/#comment-12709

http://obramaranatarevelada.wordpress.com/2012/06/08/maranata-no-maanaim-o-senhor-revelou-que-e-para-economizar-esparadrapo-para-uma-irma-deficiente-fisica/

http://obramaranatarevelada.wordpress.com/2012/06/08/maranata-ela-me-disse-que-se-fosse-pelo-tratamento-que-recebia-da-igreja-com-relacao-a-sua-deficiencia-ela-jamais-teria-ficado-na-icm-ela-falou-que-sempre-sofreu-preconceito-e-discriminacao-cheg/