igreja cristã maranata – Lembremos as fases do tsunami. O mar de quarenta e quatro anos de lama está se afastando, formando as imensas ondas. Muitos estão se apercebendo do que está acontecendo, mormente o perigo que corriam, e estão se retirando

Irmãos, Paz e Graça!
Peço desculpas por ter andado um pouco sumido, mas é por questão de trabalho.
Eu vou dar minha impressão sobre esse caso:

Um império foi estabelecido por longos quarenta e quatro anos, e muitas mentes foram dominadas, impregnadas pelo entendimento de obra, recheado de arrogância, sectarismo e tudo mais, e não se pode, para a grande massa, por um passe de mágica, sair e ter contato com o Evangelho Pleno de Cristo, e vivê-lo em sua plenitude, imediatamente.
Meus irmãos, entendamos uma coisa: Deus está no comando! Ele tem providenciado cada derrota para a obra. Cada saída de um membro de destaque, cada derrota no judiciário, cada reportagem na mídia, mesmo que só capixaba, e o melhor, todos estão tendo oportunidade de rever os conceitos, estudar a Palavra, aprender a ser crente, e deixar de ser conduzido por homens ou instituições.
Ninguém sabia ao certo o que era heresia, o que poderia ser considerado uma seita, estamos aprendendo a jejuar, a ser como os bereianos, que questionam tudo, enfim, são momentos de suma importância, proporcionados por Deus Pai, a nós os seus filhos, que andávamos como cegos, acreditando piamente em uma instituição, auto-proclamada porta-voz da vontade de Deus para o homem, mas extremamente perniciosa, pois embasa sua conduta na mentira, na falsidade, e na falta de amor para a salvação, mesmo que pelas palavras diga o contrário…

Na minha humilde impressão, tem que ser assim!

Se tudo estourasse na mídia nacional, de uma hora para outra, muitos ficariam atordoados, meio que perdidos, mas como não teriam tempo de estar sendo “revelados” os bastidores da seita, poderiam continuar, achando que tudo passa de cometimento de delitos, em tese, e nunca enxergariam o ambiente insalubre que eram envolvidos, cheio de heresias, de escravidão, de falsidades, perseguições, injustiças, partidarismos, onde predomina a avareza, e a membresia é tocada como gado, massa de manobra, para esse objetivo perseguido incessantemente.

onda tsunami

onda tsunami

Lembremos as fases do tsunami. O mar de quarenta e quatro anos de lama está se afastando, formando as imensas ondas. Muitos estão se apercebendo do que está acontecendo, mormente o perigo que corriam, e estão se retirando, ou ao menos, ficando com uma pulga atrás da orelha do que pode estar acontecendo no palácio da rainha desfigurada.
O triste é saber que tem alguns que não querem nem saber das informações, e seguem com uma “viseira” espiritual, simplesmente atropelando os fatos, e argumentando de forma falaciosa, principalmente sem embasamento bíblico, sendo que alguns usando a mesma postura de destilação de ódio, ensinada por seu líder.
Bem, é esse panorama que enxergo, e tenho fé em Deus que a Justiça irá ocorrer.

Fiquem todos com a Paz do Senhor Jesus!
Alandati.

fonte: http://diganaoaseita.wordpress.com/boca-na-trombeta/#comment-1983

 

igreja maranata – Espetáculos de horrores se intensificam na seita. E não duvide: gedelti, o dono do pes, e meia-solas-remendados CÚMPLICES com as fraudes têm contribuído – junto com o adversário de nossas almas -, para fechar as portas e IMPEDIR que as pessoas se arrepedam dos pecados

Irmã Adriana e familia do comentario(acima), sejam bem-vindos.

Espetáculos de horrores se intensificam na seita. E não duvide: gedelti, o dono do pes, e meia-solas-remendados CÚMPLICES com as fraudes têm contribuído – junto com o adversário de nossas almas -, para fechar as portas e IMPEDIR que as pessoas se arrepedam dos pecados, se convertam ao SENHOR que cura as enfermidades e perdoa as iniquidades; e passem a produzir frutos dignos de arrependimento – como foi a mensagem proclamada por João, o batista.

Entende?

Esta seita é uma calamidade. Não bastassem os crimes(em tese), a moral e os bons costumes foram maculados por essa gente arrogante que comanda a icm-pes (escrevo em minúsculo, mesmo, o CV que me permita).

As pessoas que saem (e até muitos que ainda estão dentro), só contam as misérias que passaram e ainda passam!!

O palácio da rainha desfigurada foi implido (leia este artigo aqui no blog) e esta em ruínas… Que obra maravilhosa a sua, hein Gedelti?!!!

Que Deus abençõe quem conseguiu sair, e, pela fé, muitos o Senhor vai tirar deste ninho cuja sujeira cehgou aos Céus!!!

Avante CV. Avante retirantes!!!

Meu abraço fraternal aos amados irmãos em Cristo.
.
.
O amado Pr. Gil faz alusão ao artigo escrito há mais de dois anos

http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/09/a-implosao/

Paz.

CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/11/discriminacao-narcisismo-e-orgulho-religioso/comment-page-1/#comment-22696

maranata – Quantos de nós sofreram humilhações , ameaças a partir de manipulação de dons espirituais, danos psicológicos e porque não dizer materiais.

A igreja Cristã Maranata deveria ser processada não apenas por desvio de Dízimo, mas pelo dano causado em muitas vidas sinceras que ali um dia adentraram. Quantos de nós sofreram humilhações , ameaças a partir de manipulação de dons espirituais, danos psicológicos e porque não dizer materiais.
A escravidão e o fanatismo espiritual que fazem da maioria dos membros robozinhos, prontos a acatar qualquer ordem dos dirigentes,ontem pela manhã todas as igrejas foram convocadas para um seminário onde de forma pretensiosa através de satélite eles argumentaram sobre os fatos que estavam ocorrendo , deixando claro que devemos muito a “OBRA” , que a “OBRA” é tudo para nós, que sem a “OBRA” estaríamos perdidos, manipulando aqueles que não querem acordar a se voltar contra qualquer um que questione contras os desmandos dessa religião que Graças a Deus tem sido desmascarada de forma incontatável.
.
.
Fernanda,
Boa observação.
Entendo que no contexto da corrupção denunciada especialmente neste SITE (aqui a mídia colhe informações preciosas), em cima dos danos morais e psicológicos oriundos de abuso de autoridade eclesiástica e falso profetismo o bom pensar do Judiciário terá condições de fundamentar sentença e construir jurisprudência.
CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2010/07/a-conspiracao/comment-page-4/#comments

maranata – isso acontece porque é a a mentalidade que o Comendador e sua cupula passam para os meia-solas: usurpar, tirar, roubar dos membros, uma VERGONHA!

Conforme o Comendador age, seus meia-solas o seguem. Falo do ódio contra os retirantes. tem um amigo meu que mora no interior do RS. ele entregou as funções por causa das heresias e roubalheiros parou de dizimar. Ficou esclarecido depois que começou a entrar no blog buscando escçlarecimentos e informações,

o Pastor que mora em outra cidade está com ódio deste irmão. vejam só! Isto é de Deus? Como esse tipo de gente pode ser Pastor? Mas na Obra do comendador porde, desde que seja sem amor, pois aprendeu bem a lição do “Chefe”.

Dois Pastores ficaram acostumados a ir no seminario aumentando o preço de cada membro; e viajam de graça para os seminarios. Por que? Calopr, eles aprenderam bem com o “Chefe”… isso acontece porque é a a mentalidade que o Comendador e sua cupula passam para os meia-solas: usurpar, tirar, roubar dos membros, uma VERGONHA! Um Abraço Fraternal.
.
.
FRAGMENTOS

Quisera eu, que ao decidirem pela liberdade do jugo opressor, os dissidentes fossem deixados em paz, pois crentes merecem respeito; mesmo porque não estão brigando por bancos, dízimos, ofertas ou prestação de serviço não pago; eles fogem da esperteza, e da iniquidade, e da maldade, e da tirania, e da zombaria, e da vileza.

Quando o ficar é desonra, o despertar para a realidade lhes mostrou que muita coisa está errada nesta igreja, pois o poder camaleônico é real. Sim! Por estas e outras razões romperam com o gedeltismo e bem longe da casa mal assombrada cuidarão das feridas que levam em suas almas.

Sejam fortes retirantes…
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/01/mene-mene-tequel-parsim
.
CV.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/banquete-de-ladroes/#comment-12584

O problema da ICM não é só o roubo! São as doutrinas, as heresias

O problema da ICM não é só o roubo! São as doutrinas, as heresias, a falta de amor para com os irmãos. E vendo esse irmão postar vi que agora aprenderam a mentir tambem. Que coisa feia!
Deve ser algum pastor ai remunerado ou com o rabo preso com a cúpula, que entra aqui para inventar mentiras.

Passe em frente a qualquer igreja da maranata que voces vão ver, como estão cheias… cheias sim de pessoas arrogantes, donas da verdade, soberbas, sem temor a Deus e agora mentirosas tambem para proteger o grande Lider GG. Quando Jesus voltar, voces agarrem nas calças do chefe… quem sabe voces sobem, né? Apesar de que acho isso impossivel acontecer, por que se não houver arrependimento da parte dele, se ele não se acertar com o Senhor, vai ficar tambem com todos os que ficam ai idolatrando ele.

As igrejas da icm estão vazias, quantas já foram fechadas, isso ninguem informa! Antes não chamava ninguem pra ver onde reuno até por ética, mesmo porque o Pr. onde congregava é meu parente; mas agora diante de tanto icemita fanático, estou agindo ao contrário! Convido mesmo! Ontem mesmo eu tive a felicidade de tocar junto com uma irma que era de lá, ela agora saiu! fez uma visita na terça e hoje ja saiu do ninho sujo… e outros virão… e mais outros…

Deus não habita na mentira! Tudo que tenho de informação e estudo bíblico respaldado nas Escrituras, estou enviando aos icemitas… e olha que ta dando resultado, heim! As pessoas estão começando a fazer comparação com o que aprenderam e com o que as Escrituras falam. Essa luta é nossa e o Senhor está conosco, somos valentes porque tivemos coragem de escalar montanha alta, de romper que esse sistema falido que só trouxe prejuizo espiritual e moral para muitos. O tambor está cada vez mais alto, o seu som chega longe…..
Paz!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/05/apaixonei-me-pela-obra-e-agora/#comment-11650

maranata – Irmãos esta na hora de se acordar, houve muitos crimes, não somente o roubo dos dizimos.

Quero trazer algo para que haja uma reflexão!

Hoje o Comendador é investigado pelo MP, e o seu sobrinho que durante anos faturou vendendo equpamento de som, pelas informações, mais de 23 milhões, se o Comendador fosse ético não deixaria seu sobrinho entrar, pois sendo ele presidente da margem para desconfiar mesmo que fosse por licitação, o sobrinho teria privilégio nas informções!

Irmãos esta na hora de se acordar, houve muitos crimes, não somente o roubo dos dizimos. Pense reflita quer continuar no meio de pessoas como o Comendador e sua cupula; aliás, toda a cupula esta muito bem morando em condominios de luxo, á custa de quem? Pense,Reflita!um abraço fraternal a todos!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/o-clamor-publico/

maranata de gedelti – De acordo com o montante dos documentos timbrados dos respectivos cartórios o esquema é diabolicamente simples

Para quem ainda vive no mundo da imaginação e não entendeu a “Obra”.

De acordo com o montante dos documentos timbrados dos respectivos cartórios o esquema é diabolicamente simples:

– As empresas contratadas para fazer os serviços da instituição demagógica religiosa eram de sociedade dos próprios contratantes.
– Os serviços eram superfaturados. Por exemplo, um serviço de logística (de nada para coisa nenhuma) de uma empresa nunca antes existente, sem experiência e com só três funcionários (sócios – entre eles o próprio vice) era contratada por 12 mil reais mensais para 15 horas de trabalho semanais.
– Para burlar o estatuto da própria instituição, eram produzidas procurações nominais com todo poder, para comprar vender e em nomes desses procuradores, não em nome da instituição.
– De posse de todo direito legal, esses homens compravam, vendiam qualquer propriedade da ICM (carros, imóveis, etc.). Não precisando dizer por quanto vendiam nem por quanto compravam. Esses homens vendia e compravam um dos outros. Compravam por ninharia e vendiam por preço alto, superfaturado. Lavando dinheiro e legalizando o produto da fraude.
– Quando não podiam explicar os gastos e o dinheiro que sumia da instituição, eram confeccionadas notas fiscais frias, para tampar o rombo. Esse dinheiro era dividido pelos integrante do bando. Segundo o vice isso era prática antiga, antes de chegar ao cargo.

A parte do líder da organização religiosa:

GG deixava todo esse emaranhado com o vice. Era o vice quem assinava toda a sujeira. GG não queria se sujar nominalmente, preferia ter a sua parte na gang em espécie, em dinheiro vivo, longe dos olhos do fisco.

Só que a quadrilha deixou rastros. Nos contratos, nos cartórios, no patrimônio crescente… NOS DOLARES E NAS CASAS DE CÂMBIO DO SUBMUNDO… Tudo será rastreado pelo MINISTÉRIO PÚBLICO.
DO OUTRO LADO:

Os pobres fiéis fazem vaquinhas para pagar os aparelhos de vídeos-conferências e comprar todo material de limpeza das igrejas locais. E dando os dízimos de seus trabalhos honestos para alimentar essa quadrilha de bandidos.

VIDA DE GADO. MASSA DE MANOBRA.

DEUS NÃO TEM PARTE NISSO!!!

Para que ainda não entendeu a “obra”, taí a radiografia.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/triste-fim-de-jornada-de-quarenta-anos/#comment-11242

Novidades maranata – “OPERAÇÃO ABAFA – DESVIO DE RECURSOS”

Dependente de massagens do ego com profetadas e revelagens, às denúncias insistentes o monarca muito religioso começou a armar adefesa da Obra para este momento profético: impedir que o assunto de desvios de recursos fosse parar nos jornais (para isto os mais chegados: seja, deputado, jornalista ou juíza de parede e meia).

Diversos artigos deste SITE foram disponibilizamos mostrando onde a ideologia de Obra chegou: em um BECO SEM SAIDA.

 

Nitidamente se observam nesses quarenta e dois anos: ameaças, autodefesa, avareza desmedida, balcões de negócios, contrabando ou descaminho, cortinas de fumaça, demandas judiciais, destruição de documentos, dissimulações, doutrina errada, estelionatos, falta de transparência, formatação, fraudes, fuga à responsabilidade, instigação do ódio religioso, introjeção de jargões premeditados e manobras palacianas em defesa da Obraconspiraçãofalsa unção, fisiologismo político (inclusive com candidatos declaradamente kardecistas) e o velho voto de cabrestoFrutos podres!

Os erros começaram há tempos. Mas nesta Obra manda quem pode e obedece quem tem juízo. O pior é que o avarento chefe religioso não tem noção das implicações legais em que se meteu. Convocados os conselheiros o berrante ecoou: ESTA OBRA É MINHA VIDA. DEFENDAM A OBRA! Imediatamente, o agregado cochichou no ouvido do profeta de plantão: ABAFA! Não adiantou: a mídia escancarou o esgoto.

MARANATA: da fé à fraude

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/02/noticias/cbn_vitoria/reportagem/1107020-dizimo-desviado-em-fraude-milionaria-na-igreja-maranata.html

http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2012/02/igreja-maranata-processa-suspeitos-de-desvio-de-dizimo-milionario-no-es.html

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/02/noticias/a_gazeta/dia_a_dia/1107003-igreja-maranata-dizimo-desviado-em-fraude-milionaria.html

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/02/noticias/a_gazeta/dia_a_dia/1107549-pastor-usou-visao-para-justificar-desvio.html

http://www.youtube.com/watch?v=07Xkyw-Smcg

http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2012/02/advogado-diz-que-igreja-maranata-no-es-quer-iludir-fieis-com-acao-judicial.html

http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/02/noticias/a_gazeta/dia_a_dia/1110065-fraude-na-igreja-lider-da-maranata-e-intimado-pela-policia.html

Por oportuno, aproveito a mensagem do do Atalaia do Norte neste artigo:

“ICM, o negócio da “China”

Amados irmãos, APSJ a todos.

Resido na região norte do país, na cidade de Belém, no Estado do Pará, e freqüento a ICM aqui em Belém já fazem cerca de oito anos e, é com muito pesar e tristeza, que venho acompanhando o desenrolar dos fatos que agora estão sendo mais amplamente divulgados através deste site, já que nas igrejas nada é divulgado, a não ser que a “Obra” está sendo “atacada por um bando de incircuncisos e desordeiros” e, que todos devem se levantar e defender a “Obra”.

Até os jovens foram convocados no último domingo (05/02) para ouvirem uma palavra (proferida por um pastor jovem) para defenderem a “Obra”, como fez Davi com Golias, porém a palavra proferida por aquele pastor mais parecia com um apelo dramático e desesperado de uma instituição agonizante tentando frear a fuga dos jovens, como se eles não tivessem vontade própria e discernimento dos acontecimentos.

De fato, tudo isto está parecendo mais a um “sepulcro caiado”, ou seja, por fora tudo muito limpo, arrumado e pintado, mas por dentro… . Realmente é triste ver todo o esforço e trabalho de irmãs e irmãos dedicados, aqui em Belém e em outras cidades do Estado do Pará, vir a terminar desta forma. Aquilo que diziam ser o que mais se preservava na ICM, que era a tão proclamada “integridade da Obra” ruiu como um castelo de cartas. A  imagem (e credibilidade) da ICM (não do Senhor é claro) foi arranhada e o risco de imagem hoje dia, para qualquer instituição (ou empresa) que se preze, tem um custo muito alto com a perda da fidelização de seus membros (ou clientes).

Mas uma coisa é certa, o atual Pastor Presidente não irá (como ele mesmo já disse via satélite) servir de mártir, portanto, o seu afastamento está praticamente descartado por sua própria vontade. O afastamento do Pastor Presidente só acontecerá por decisão judicial, e isso se a justiça vier a concluir que o mesmo não teve (e não tem) competência para gerir ou, pior ainda, se teve participação direta no insólito episódio. Lembremos, porém, que o PES está fortemente ligado a família Gueiros. Quanto a devolução do dinheiro de dízimo, não se iludam meus irmãos, é mais fácil um boi (ou elefante) voar.

Pelo desenrolar dos fatos, percebemos que os dois cidadãos, que estão sendo formalmente acusados não estavam sós nesta história toda. Aparentemente estão sendo é utilizados como “laranjas” para tentar salvar a pele (e os bens) de outros. Não dá para acreditar que uma instituição destas, com igrejas nos quatro cantos da Terra (é uma multinacional da fé, como muitas outras) tem a sua contabilidade atrasada em quatro anos.

Qualquer quitanda ou mercearia da esquina tem as suas contas em dia nem que seja em caderneta de anotações, ainda mais quando se afirma que possui um super-sistema de gestão financeira. É hilário afirmar que fazia as suas compras direcionadas por “visões”, como foi afirmado por certo pastor advogado. Mas meus irmãos, vamos analisar mais de perto em que de fato se tranformou a ICM atuamente. Vejamos o que faz (ou o que fez) da ICM um negócio da “China”, um bom negócio para algumas poucas pessoas do PES.

1º – Isenção de impostos (até aí tudo bem, isso é comum a todas as instituições tidas como de utilidade pública e que não visem lucro).

2º- Tesouraria e contabilidade centralizada e blindada, com acesso apenas um pequeno e privilegiado grupo de pessoas e, o que é pior, sem a devida prestação de contas (balanço contábil) a todos os membros da ICM, seja onde for. Demonstra falta de transparência e respeito para com a administração de recursos oriundo dos dízimos e doações. É aí que estava o “x” da questão, o grande perigo.

3º- Com a sua estrutura contábil centralizada, blindada e sem transparência, a ICM se transformou em uma instituição arrecadadora de recursos, como se fosse alguns órgãos públicos, onde o recurso entra mas ninguém sabe como e quanto e está sendo gasto. Esta foi a grande falha, pois ainda que os recursos estivessem sendo desviados para outros fins que não de interesse da “Obra”, mas se o PES tivesse tido o cuidado de fazer uma prestação de contas anualmente (ou semestralmente), mesmo que apresenta-se um balanço contábil falso (maquiado, vamos assim dizer), possivelmente a falcatrua ainda passaria por muito tempo ao largo da desconfiança dos olhos humanos, mas não do Senhor. Os valores do evangelho regem-se pela honestidade, pelo compromisso com a Palavra lançada. Equidade. Altruísmo. Integridade. Amor ao próximo. Se quiserem dar outra roupagem, chamem isso de probidade administrativa, eficiência, prestação de contas, justiça, responsabilidade fiscal, interesse no bem público. Isso tudo tem o bom aroma do Evangelho de Jesus e, não esse mau odor de lama que impregnou a ICM.

4º- Agora vem o que eu considero a grande “sacada” o “pulo do gato” da administração do PES, que foi a adoção, na sua doutrina, do trabalho voluntário nas igrejas. Trabalho voluntário é muito bonito e engrandecedor, principalmente quando se é servo do Deus Verdadeiro e o trabalho que se faz é verdadeiramente dedicado à Ele, porém isso torna-se uma “mão na roda” para qualquer administrador inescrupuloso, mas o que eu vejo é os  irmãos e as irmãs (inclusive eu também), nas igrejas e nos manaains, trabalhando cheios da vontade de servirem ao Senhor quando são, na verdade, usados, muitas das vezes sofrendo pressões por parte de “pastores”  e “diáconos” que ameaçam de destituir-lhes as suas funções (já sobrecarregadas) ou quando não são acusados ou taxados de “caídos” “esfriados” ou coisas parecidas, promovendo a extorsão de seus membros. Além disso, estende-se o conceito de trabalho voluntário para as ofertas e doações sob o pretexto de ajudar na manutenção das igrejas, onde tudo mais é doado, desde material de limpeza até coletas para aquisição de outras coisas inclusive material de construção. Ora se o dízimo já é pago, e se os pastores, por sua vez, não recebem salários, obviamente só podemos concluir que, tirada as despesas de energia elétrica, de água e aluguel (nos casos de imóvel alugado) todo o restante é contabilizado pelo PES e, se não há prestações de contas nem pelas igrejas locais (que, aliás, deveriam fazer também), quanto mais se não houver nem pela administração central (PES), aí tudo fica muito mais fácil. O custo total de manutenção das igrejas (seja ela onde for) é de responsabilidade do PES.

5º- Por último, arrematando todo o rebanho com uma doutrina férrea, agora com transmissão via satélite, com alcance mundial, onde tudo passa a ser teleguiado diretamente do PES, como eles dizem, não se permite desviar (nem olhar) nem para a direita e nem para esquerda e, onde se coloca que, depois de Deus, vem a “Obra”, e onde se deve viver somente para a “Obra” e pela “Obra”, colocando-a, inclusive, acima da própria família, e quantas famílias eu não presenciei se acabarem ao entrarem em conflitos devidos aos “rigores doutrinários” que em vez de semearem a paz e a união das famílias, levavam era discórdias para os lares. Onde até uma simples festa de aniversário familiar era mal vista, principalmente se nem todos os familiares eram membros da ICM. O rigor doutrinário imposto pela PES é de fazer inveja aos regimes totalitários já presenciados pela humanidade ao longo de sua história. É escravizador. Voc~e se torna escravo, não de Jesus, mas do PES. Quem vive e convive na ICM sabe muito bem do que eu estou falando.

CONCLUÍMOS, portanto que, com uma administração financeira altamente centralizada e sem transparência, sem prestação de contas dos recursos a quem quer que seja, somada ainda a um regime doutrinário fortíssimo, onde o controle da vontade de seus integrantes é realizado de forma eficiente e eficaz, como está sendo realizada, é realmente um bom negócio para um grupo sem escrúpulos onde conseguem enriquecer ilícitamente. Eles conseguem tudo isso, não trabalhando pelo Evangelho, à semelhança de Paulo, Pedro e João, mas corrompendo a mente das pessoas em nome de Deus. No final das contas tornam-se mercenários da Palavra e da consciência alheia, fazendo com que a ICM não seja nada diferente de muitas outras “igrejas” que existem por aí.  É, de fato, um negócio da “China”.”

Sei de algo que assusta o Diabo, encanta os crentes honestos e retine nos ouvidos até dos endurecidos de coração: se os que governam este rebanho perderam a vergonha, aqueles que os obedecem perderam o respeito por si mesmos.

Triste fim de “jornada de quarenta anos”.

TSUNAMI!

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/02/operacao-abafa-desvio-de-recursos/

maranata de gedelti gueiros – andando no centro do erro – contaminada desde o início

A OBRA: Andando no Centro do Erro

“A OBRA”: ANDANDO NO CENTRO DO ERRO
“Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai
os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas
têm saído pelo mundo fora.
Nisto conheceis o Espírito de Deus: todo espírito que
confessa que Jesus veio em carne é de Deus; e todo espírito que
não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é
o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem
e, presentemente, já está no mundo.
Filhinhos, vós sois de Deus e tendes vencido os falsos
profetas, porque maior é aquele que está em vós do que aquele
que está no mundo. Eles procedem do mundo; por esta razão
falam da parte do mundo, e o mundo os ouve.
Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus nos ouve;
aquele que não é da parte de Deus não nos ouve. Nisto
reconhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro.” 1 João.
4.1-6
A ICM-PES foi contaminada, desde o início, em QUATRO QUESTÕES
de grande importância:
a) “discernimento de espíritos”;
b)interpretação de sonhos e de visões;
c) impedimentos na educação não formal;
e d) proibição na educação formal teológica de pastores.
A contaminação começou bem no início, a partir de Vila Velha –
ES, nas reuniões dominicais de membros do Presbitério. A duras penas os
“Valentes da Obra” começavam a aprender que na OBRA manda quem pode e
obedece quem tem juízo. Faltar àquelas convocações… nem pensar.
A falta de ardente desvelo – individual – pelo ministério começava
a criar descontentamento e escavar lugares para as raízes de rebelião. Deste
modo, fomos muito prejudicados tanto no que diz respeito ao aprendizado não
formal de como interpretar revelações, sonhos e visões, quanto na intervenção
do bíblico “discernimento de espíritos”. Lamentavelmente, esta geração de
crédulos continua entorpecida com o erro… e gosta disto! O potencial destrutivo
está presente no ministério da ICM-PES.
Quero relatar algumas cenas que aconteceu. Perguntas sinceras
merecem respostas sinceras… e elas estão neste Tópico.
Certo membro da elite do Presbitério (1) elaborou uma apostilha
de interpretação dos chamados “dons espirituais”, distribuição exclusiva para
os pastores, logo considerada manual de interpretação de dons (que abrevio:
MID), cujo conteúdo estava mais para literatura de banca de jornal do que
competentes fundamentos a respeito de interpretação de dons; e o que deveria
servir de bênção na educação não formal dos aprendizes dificultava, em muito,
o bíblico “discernimento espiritual”.
Consultar (abrir, ler e fechar) a Bíblia fazia-se ininteligível e
mecânico, no mais das vezes entremeado com o anúncio: “revelação!” Deste
modo, a criteriosa demonstração do MID foi ficando para traz… e os erros
começaram. E foram muitos desacertos encobertos com o esperto “jogo de
cintura”. Desde então, sobre os pastores pesava (e ainda pesa) a mesma
resposta de Cristo Jesus aos orgulhosos saduceus (Mt. 29.29): “Errais, não
conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus”! Se nos deixamos ficar na
mesma maneira de viver dos inimigos de Jesus, que glória nos restava?
Naquelas antigas convocações dominicais, consultado o “dom”,
aguardava-se o augusto “discernimento”, nunca relacionado com o contexto
das Doutrinas Cristãs Fundamentais, nem com as Escrituras Sagradas. A
inusitada pressa em se apresentar com o “discernimento” aliado ao esforço na
construção de heresias (2) fazia do primaz inigualável malabarista. Diante do
“dom” ininteligível ele conseguia desviar a atenção dos presentes e enchia o
tempo com longos sermões, certo que a credulidade dos presentes sustentava
a linguagem do não-pensamento. Ele gostava (e gosta) de exercer a primazia!
Nenhum de nós poderia imaginar o que hoje se vê como frutos de
nossos desacertos e de deturpação das Escrituras (3). Por oportuno, a
credulidade, a linguagem do não-pensamento, o afastamento das Escrituras, o
excesso de confiança nos membros da elite e o impedimento para a adequada
educação não formal cada vez mais nos colocava em uma desagradável
posição: ANDANDO NO CENTRO DO ERRO.
Nesta condição, a influência da apostilha era fato inconsciente e
incontestável. As sementes da incorreta interpretação estavam sendo
plantadas na mente dos pastores, a maioria deles ordenados por “dons”, a
moda da casa. Algum estudioso poderia dizer que o “consciente coletivo” (4) da
denominação estava em formação para as gerações. Cores, números e
símbolos oníricos eram “interpretados” em meio aos desacertos; e, de costume,
entraram no ensino e pregação com as nuances de “doutrina revelada” (5).
• AEROPORTO – a OBRA se expande rapidamente;
• ÁGUIA – a OBRA vê novos horizontes;
• ANJOS – a OBRA está na eternidade;
• BATISMO – a OBRA oferece uma fé renovada;
• BICICLETA – esforço individual atrapalha a OBRA;
• BOLSA – o controle do dinheiro é on-line e para o futuro da OBRA;
• BORBOLETA – a OBRA saiu do casulo e está em crescente metamorfose;
• CABELOS COMPRIDOS – as revelações para o Corpo da Obra emergem do PES;
• CACHORROS LATINDO – a caravana da OBRA continua na caminhada do deserto;
• CADÁVER – o que sai da OBRA não tem jeito: morre sem salvação;
• CAJADO – a OBRA está no comando das denominações;
• CANHÕES – os dons da OBRA atingem as distâncias da eternidade;
• CAMELO – a OBRA está abastecida para atravessar os desertos;
• CAMINHÃO CARREGADO – a bênção espiritual da OBRA para os encontros no
Maanaim;
• CAMPO DE BATALHA – a OBRA de Davi está vencendo a Casa de Saul;
• CHUVAS SERÔDIAS – a abundância de dons e maravilhas da OBRA;
• ESCADA – a ascensão e transformações da OBRA;
• ESCURIDÃO – na OBRA estamos livres de recursos e religião dos homens;
• ESPADA BIGÚMEA – o discernimento “além da letra” é exclusivo da OBRA;
• ESPELHO – a OBRA mostra o modelo para as igrejas;
• FLORES – a graciosa sensibilidade dos “dons” que operam na OBRA;
• FORMIGAS – os servos da OBRA obedecem às normas e orientações do
Presbitério;
• HOSPITAL – somente a OBRA oferece socorro os feridos da religião;
• INCÊNDIO – as bênçãos espirituais são para os servos da OBRA;
• MÃO – os 05 dons do ministério de Cristo atuam na OBRA;
• MINA DE OURO – a doutrina revelada é exclusiva e para a OBRA;
• ÓCULOS – o discernimento espiritual de que a OBRA é modelo;
• PADARIA – na OBRA o pão quentinho é servido a cada dia;
• PROFESSOR – a OBRA é mestra das demais igrejas;
• TANQUES DE GUERRA – os valentes gerados na OBRA;
• TRIGO – o alimento da OBRA prevalece contra o joio da religião.
Portanto, a fim de que o “dom” (revelação, sonho ou visão)
confirmado pela consulta apresentasse algo convincente, o dominador do
rebanho entrava em cena. No mais das vezes, certo sonho ou visão dava
margem a cansativos “discernimentos” de mais de hora, entremeados com
dezenas de jargões surrados do tipo: “a Obra”; “eternidade da Obra”; “inimigo
da Obra”; “nesta Obra”; “porque a Obra”; “quem sai da Obra” etc. O jogo de
cintura do mestre demonstrava esperteza que gerou “a mentalidade de Obra” –
que mediocridade! O modelo de “discernimento” entrou na experiência
(educação não formal) dos pastores e na formação da “doutrina revelada”, hoje
institucionalizada, dando margem à intrusão de graves heresias, como
denunciamos (6), (7).
Sendo a manifestação do dom de “discernimento de espíritos” (1
Co. 12. 10, gr. diakriseis pneumaton) algo de desejo imprescindível e intenso,
segundo o padrão do Novo Testamento, a evidência deste carisma poderoso
somente pode ser demonstrado no contexto da fé e obediência às Escrituras.
De Deus não se zomba! Forçosamente, a revelação deste dom tem como
Fonte o Espírito de Cristo Jesus. Ora, a ação divina que comunica a
manifestação deste “carisma” à “igreja de Deus… corpo de Cristo”, comunica o
absoluto ao examinar, desde a raiz, o que está escondido. O dom de
“discernimento de espíritos” examina o desconhecido, o mais misterioso e
profundo das manifestações, prodígios e sinais, em especial quando agentes
do falso profetismo, deslealdade ministerial e os poderes do inferno estão
presentes.
Verdadeiramente, o dom de “discernimento de espíritos” é a ação
do Espírito de Deus invadindo o domínio do invisível onde os obreiros
pseudocarismáticos dissimulam intenções por darem ouvidos “a espíritos
enganadores e a ensinos de demônios”, conforme o ensino do apóstolo Paulo
(1 Tm. 4.1). Alguém acha que o líder do rebanho investigaria as possíveis
raízes satânicas do “dom” em consulta? Nem pensar! O fracasso na expulsão
de demônios, em ocasião anterior, deixara marcas e medo de repetir o
insucesso… evidenciando orgulho religioso! Então, “para que cutucar o inimigo
com vara curta” (ele dizia), se esta investigação poderia colocar outro pastor da
Obra em situação de vexame? Mas o apóstolo João afirma (1 Jo. 4.1 – ênfase
nossa): “PROVAI OS ESPÍRITOS”. Porém, tal não aconteceu… e aqui começa
o desaparecimento do ministério dos evangelistas… mas isto é assunto para
outra ocasião.
CONCLUSÃO
A aparência de “crente espiritual” cimentou condutas pastorais e
fundamentou o orgulho religioso que hoje se vê no exclusivismo de “Obra
revelada”. A covardia, a cumplicidade e a infidelidade às Escrituras
prevaleceram. Nesta geração de crédulos o mal está enraizado.
Profundamente! O joio cresceu junto com o trigo, enquanto os obreiros
continuam dormindo… e ai daquele que acordar!
A augusta autoridade eclesiástica deu provas de que não
obedecia às Escrituras e nem exercia fé no poder de Deus. As falhas foram se
acumulando… e não quisemos reconhecer os erros, não pedimos perdão aos
que foram feridos com nossos desvios do bom caminho, cujos limites estão
traçados pelo Altíssimo Deus, como diz a Escritura (Is. 30.21; Jr. 6.16 – ênfase
nossa):
“Quando te desviares para a direita e quando te desviares para a
esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: ESTE
É O CAMINHO, ANDAI POR ELE. (…) Assim diz o SENHOR: Ponde-vos à
margem no caminho e vede, perguntai pelas veredas antigas, qual é O
BOM CAMINHO; ANDAI POR ELE E ACHAREIS DESCANSO PARA A
VOSSA ALMA; mas eles dizem: NÃO ANDAREMOS.”
As fantasias dos falsos mestres e dos falsos profetas andam
soltas como a imaginação das crianças sentadas nos cavalinhos do carrossel.
O carrossel gira e gira… e sobe e desce… mas continua no mesmo lugar, preso
ao centro, no lugar de destaque do parque de diversões. Enquanto
dançávamos as cirandas doutrinárias (cabala, chantagens doutrinárias,
construtos humanos, heresias, numerologias e vãs sutilezas) no Maanaim (8),
nós girávamos presos ao centro do erro e não percebíamos que a dominação
quadregenária estava em curso. Porém, o Espírito de Cristo Jesus pode
colocar freio nesta opressão.
As falsas profecias, falsas revelações e falsas visões são comuns
na “feira de dons”, conforme depoimentos em diversos Tópicos desta
Comunidade. Biblicamente pensando, dos que lá (ou aqui) estão quem não
inventou “dons”? E quem chorou arrependido do mal que fez aos seus irmãos?
Não há como negar que o dominador do rebanho não arreda o pé
do palácio da rainha desfigurada; porém, ele está ANDANDO NO CENTRO DO
ERRO. Não há como contestar, desmentir ou duvidar: cada vez mais a ICMPES
mergulha em apostasia (2 Ts. 2.3-4, gr. rebelião – a negação da fé em
Deus) individual e coletiva (10).
Neste contexto se entende a força dos arts. 5º, 25 e 26 do
constitutivo eclesial obrigando que todos aceitem “integralmente a doutrina,
normas e orientações espirituais emanadas do Presbitério”, pena de exclusão
sempre humilhante e sem direito de defesa.
O EVANGELHO DO ETERNO É ABSOLUTO. Nada existe no
Evangelho que aos pseudocarismáticos e sofistas possa satisfazer. O que
deixei registrado, o fiz, no âmbito das idéias e por amor ao Testemunho da
Verdade. Antigamente nenhum de nós podia manifestar-se, por melhor que
fossem nossas palavras. O cabresto e freio eram os instrumentos da retranca.
Nesta Comunidade, com amparo na Carta Magna, podemos manifestar nossas
opiniões que são respeitosas e verdadeiras.
Por temor de perder o que foi acumulado por orgulho que incita a
discriminação eclesiástica e o ódio religioso, como escapar dali sem angústias,
desilusões e traumas, se em defesa da fragilidade do sistema a elite das elites
“degola” os desafetos e destrói suas famílias? As ameaças continuam.
Se alguém já percebeu estar debaixo da autoridade de obreiros
pseudocarismáticos, LIVRE-SE DELES E DEPENDA EXCLUSIVAMENTE DO
ESPÍRITO DE CRISTO JESUS.
A Paz do Senhor Jesus.
NOTAS:.
Atenção: Retornando à Comunidade em 30.11.2008 escrevi A OBRA: CONSTRUINDO HERESIAS. Ao
postar o Tópico ainda não havia percebido que Natsu Kao já havia escrito o texto Refutando HERESIAS:
ALÉM DA LETRA (cabalismo) onde aparece a maioria dos símbolos que os mestres e pastores da ICMPES
emprega para animais, cores, materiais e objetos, na tentativa de “interpretar” o que passa na
cabeça de cada um daí surgindo a “doutrina revelada”. Em 07.01.2009 escrevi A OBRA: ANDANDO NO
CENTRO DO ERRO onde faço referência ao excelente trabalho de Natsu Kao.
Refutando HERESIAS: “ALÉM DA LETRA” (cabalismo)
.
.
(1) Pastores ordenados pela ICM são membros do Presbitério e denominados representantes do
Presbitério. Consulte art. 6º do Estatuto da ICM em
.
(2) “A OBRA”: CONSTRUINDO HERESIAS
.
(3) ENGANAÇÃO: MINISTRAÇÕES CONFUSAS E INCOMPLETAS…
.
(4) A mente humana, para Carl G. Jung, psicanalista, possui padrões de comportamento denominados
arquétipos, que são referências de valores e virtudes. Se a especulação jungiana é plausível, como
alguns insistem, na ICM-PES os fatos permitem ao estudioso alcançar o doutorado.
.
(5) A expressão “doutrina revelada” (e equivalentes) é bastante comum entre antigas seitas:
adventistas, cristadelfianos, mórmons, russelitas (testemunhas-de-jeová) e outras.
.
(6) “A OBRA”: LOUVOR COM GOSTO DE HERESIAS
.
(7) CRENTE FOLHA SOLTA VOANDO PRA LÁ E PRA CÁ
.
(8) Refutando HERESIAS: “ALÉM DA LETRA” (cabalismo)
.
(9) “A OBRA”: A DOMINAÇÃO QUADRAGENÁRIA!
.
(10) A BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL – CPAD, p. 1903, oferece um bom estudo a respeito da
APOSTASIA PESSOAL.
.
(11) A esperada apostila (trechos) para Pastores da ICM
.
(12) MENSAGEM DE NATAL – PAZ E AMOR – PES
=3&nst=11&nid=1278527-5279168496521237906-5279170351947109778

maranata – a justiça do homem terá que ser feita – o clamar pela justiça dos homens

o clamar pela
JUSTIÇA DOS HOMENS
Processando o Evangelho e a Liberdade De Expressão.
“Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao mal; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra, e, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;” Mateus 5:38-40
No início de 2009, tornou-se público o processo que veio sendo promovido pela Igreja Cristã Maranata contra a empresa desenvolvedora de serviços online denominada Google, cuja sede é nos Estados Unidos, isto ao longo de 2008, (Processo 035.08.001862-1 quando em curso na 6ª Vara Cível de Vila Velha – ES). A referida Instituição Religiosa, nesta condição como requerente, exigia que a empresa de informática abolisse de todas as suas páginas qualquer menção ao nome “Maranata”, isto é, incluindo desde as comunidades referentes à ICM, bem como os espaços destinados a outras denominações que utilizam o termo “Maranata” no nome de sua comunidade.
Particularmente, o olhar da Denominação ICM voltou-se contra o site de relacionamentos Orkut, que possui comunidades criadas por ex-membros e membros, com o objetivo específico de discutir as doutrinas, dogmas, usos, costumes e as experiências positivas e negativas obtidas sobre o seu sistema.
Quanto ao processo, a possibilidade disto ocorrer já era ventilada há muito tempo, inclusive através de circulares, ameaças e promessas em seminários. Mas um fato incomodou muita gente, que foi a maneira silenciosa e sorrateira de como as coisas foram feitas. Muitos não sabiam que tinham seus nomes envolvidos num processo. Percebeu-se, então, uma preocupação muito intensa dos líderes da ICM em relação ao Orkut, algo que afirmamos categoricamente ser sem sentido e cabimento, uma vez sendo visível que todas as comunidades que tratam sobre essa denominação jamais tiveram o objetivo de ridicularizar a religião e seus adeptos, muito menos incitar violência e ódio contra aqueles, sendo estas comunidades um proveitoso meio para que muitos se esclarecerem das dúvidas, encontrando ali um espaço democrático e com naturalidade para se conversar, obtendo respostas sobre questionamentos e coisas intrigantes e por vezes inexplicáveis dentro da ICM, o que, como sabido, isto é inviável dentro da ICM, pois há receio, temor ou medo de retaliações.
O que ficou claro e ratificado em toda esta história é que o Presbitério Espírito Santense (PES) – órgão responsável pelas diretrizes da Instituição Igreja Cristã Maranata – parece não se sentir confortável quando se vê questionado em alguma coisa, seja ela qual for. Particularmente, não entendemos tal postura, uma vez que a crítica construtiva é fundamental em todos os campos da sociedade, e isto também vale quando o assunto é religião.
É interessante ler a Bíblia e constatar o número de observações feitas por Jesus sobre os fariseus e os saduceus, os questionamentos entre eles, as indagações dos discípulos ao Mestre, tendo Ele próprio os estimulado a questionamentos sobre a Sua missão e dando explanações sobra a tal, incentivando o bom diálogo, salientando ações recíprocas e não a unilateralidade, onde um manda, fala, determina, orienta e outro apenas cumpre cego e alienadamente.
No Cristianismo primitivo vemos Paulo, pelas Escrituras, asperamente refutando e rejeitando as idéias daqueles que tentavam incorporar os rudimentos do judaísmo no seio da cristandade. Também o apóstolo João, cujo embate era contra a doutrina Gnóstica que sorrateiramente era diluída no seio da Igreja, a fim de tornar o Evangelho misto. Os considerados “pais da Igreja”, discípulos dos discípulos, como Policarpo, Clemente, enfim, tantos outros, resistiram sobriamente, respaldando-se em críticas fundamentadas nas Escrituras o porquê da não aceitação de tais heresias surgidas na época.
Na história, também vemos os protestos de Lutero, em favor do Evangelho, que foi tão impactante em suas críticas, que hoje há inclusive líderes católicos reconhecendo suas virtudes. Lutero não temeu a arbitrariedade e a ditadura eclesiástica da Santa Sé, ainda que fosse lhe ensinado que era um tremendo pecado questionar o Vaticano. Quem está com a Verdade não teme, apenas segue o seu caminho, ignorando as críticas e as ameaças – isso é um princípio basilar da fé cristã.
Até mesmo religiões não-cristãs estão em constante processo de transformação, tendo em vista que a sociedade muda e possui novas necessidades, indagações e questionamentos. Isto sem falar na necessidade de retomada da Verdade bíblica, que muitas vezes se esvai e é esquecida, sendo substituída por profecias duvidosas e doutrinas estranhas ao Evangelho, como a história rege, e como presenciamos no dia-a-dia. De modo que, com os questionamentos, debates, diálogos, enfim, com a bilateralidade, a mentira pode ser extirpada, dando lugar a Verdade. Os exemplos da Reforma Protestante estão aí. Um pensamento unilateral apenas aliena o crente, inclinando-o ao abismo, uma vez que ele não tem espaço para deparar-se com o outro “lado da moeda”, de sorte que, se a Verdade está consigo, certamente seus alicerces espirituais não serão comprometidos. Jesus, como Deus, sabia disso e por este motivo estimulava os seus discípulos a exercitarem conversas, diálogos e indagações para Consigo. Quase tudo aquilo que está sendo abordado nas comunidades do Orkut sobre a ICM vem sendo tratado de maneira digna e respeitosa, salvo em alguns casos em que determinadas pessoas destemperadas e desprovidas de bom senso acabam fugindo desse parecer. Mas esses poucos casos não podem invalidar os muitos outros, de pessoas que têm levado a sério aquele espaço virtual destinado à troca de experiências vivenciadas enquanto membros de tal facção religiosa, bem como refletirem sobre suas práticas doutrinárias. Essas exceções ocorrem, reconhecemos isso, mas essencialmente a comunidade preza pelo respeito e moderação.
Mais uma vez somos taxativos em afirmar que jamais houve, por parte dos principais participantes, uma tentativa exacerbada de ridicularizar a ICM, nem tampouco agredir gratuitamente seus líderes. Em especial, é importante destacar a responsabilidade da Moderação da comunidade Já Fui Um Maranata, que vem apagando de seu fórum todos os comentários de teor altamente agressivos ou mesmo descabidos, sejam estes contrários ou a favor da ICM. E quando surgem opiniões contrárias carregadas de rancor e ódio, temos sempre presenciado a ação de vários participantes tentando tirar toda a possível amargura que esteja sofrendo aquela pessoa, substituindo estes sentimentos pelo perdão e compaixão, tal qual faria o nosso mestre Jesus.
No entanto, a ICM erroneamente parece tratar discussão de doutrinas como agressão ao pensamento religioso, algo sem cabimento e desprovido de razões lógicas, até mesmo pregando que questionar as doutrinas da ICM é ir de encontro a própria pessoa Espírito Santo – infelizmente algo como o que faz a Igreja Católica, as Testemunhas de Jeová, os Mórmons, enfim, contra aqueles que questionam e/ou contrariam as decisões do Vaticano ou as ordens da cúpula religiosa.
Para o leitor, que não conhece ainda o que vem sido discutido no Orkut, gostaríamos de deixar claro que ali (na comunidade Já fui um Maranata) não há nada de demoníaco, como alguns gostam de pensar e induzir os irmãos desinformados. Muitos membros da ICM são levados por essa indução e acabem crendo, depositando, absurdamente, toda confiança no homem, especificamente naqueles que os arregimentam. Sabemos que a ICM, por uma orientação (outros dizem que por uma “revelação”), desaconselha (publicamente) e PROÍBE (internamente – em reuniões apenas para membros que tenham algum tipo de cargo ou função no Sistema) de forma extremamente radical o uso do Orkut, sendo que a maioria esmagadora talvez nunca tenha pensado no motivo disso tudo, o porquê da ICM se canalizar tanto contra o “Opressut1”, desconhecendo a outra versão da história. Afinal, quem nunca fez esta pergunta a si mesmo: Por que somente o Orkut é atacado e focado, e não os outros meios semelhantes, inclusive os seus concorrentes, a saber, Facebook e MySpace?
Opressut – Fusão da palavra “Opressão” com o nome “Orkut”. Trocadilho usado pelos líderes da ICM para tratar com desdém esse site de relacionamentos, cujo nome oficial é Orkut, prenome do turco criador do site, que Esse termo em evidência é bastante corriqueiro, sendo mais usual em reuniões onde o público alvo são adolescentes e jovens, na tentativa de condicionar na mente dos mesmos que é pernicioso a utilização desse site de relacionamentos, pois geraria neles essa “opressão” sugerida. Virou modismo entre os ICM’s a repetição de tal palavra.
Pedimos-te encarecidamente que leia este artigo até o final e compreenda a verdade dos fatos, aqui lerás coisas que nunca te contaram.
Antes de começar a tratar o que falamos ali dentro, é necessário te fazer algumas perguntas, prezado (a) leitor(a): 1. Você já tentou convencer um católico de que o mesmo estava errado em sua fé? De que se ajoelhar diante de imagens ou esculturas é pecado, segundo as Escrituras? 2. Já conversou com um espírita e mostrou para ele, na Bíblia, o quanto a sua crença é equivocada? 3. Já teve a oportunidade de dialogar com um judeu ou muçulmano sobre a pessoa do Senhor Jesus? 4. Já tentou argumentar com algum evangélico os erros, equívocos e distorções de sua denominação?5. Já abordou as doutrinas erradas dos Adventistas e das Testemunhas de Jeová? 6. Falou para algum crente tradicional sobre a questão acerca dos dons e o batismo com o Espírito Santo?
Mais algumas perguntas: 1. Você já ouviu em sua denominação mensagens exclusivamente contra o Catolicismo Romano, que eles são a própria Grande Prostituta do Apocalipse? 2. Já ouviu falar de suas centenas de caminhos (os ídolos), enquanto a Bíblia relatava que havia apenas um (Jesus)?3. Ouviu alguma mensagem criticando a postura dos crentes tradicionais, que ignoraram os dons e o batismo com o Espírito Santo, como se estes vivessem uma meia-verdade bíblica, ou apenas parte do Caminho? 4. Já ouviram argumentos contrários ao sabatismo (a doutrina de guardar o sábado), reputados como uma grande heresia? 5. Já ouviu que o grande problema dos “movimentos” é não reter com eles as bênçãos do Espírito Santo (o balde virado para baixo, e a sua denominação é o balde virado para cima)? 6. Já ouviu dizer que a união de denominações é algo não-cristão (ecumenismo e mescla)? 7. Nunca ouviu o termo “Religião” (fragmento de rocha)? 8. Nunca ouviu que bater palmas em forma de louvor e adoração é “falta de discernimento”? E que as denominações que fazem isso é porque querem trazer o mundo para dentro da igreja?
Caro membro da ICM, você provavelmente já lidou com pelo menos uma destas situações (talvez todas), seja ouvindo ou até mesmo reproduzindo tais clichês. E você, certamente, concorda com este tipo de atitude, afinal, “é necessário esclarecer aos irmãos sobre o perigo das armas da “religião” e da “mescla”, correto? Então, faremos apenas mais uma pergunta: se você ou a sua Denominação podem argumentar e pregar sobre os erros dos outros em aulas de auditório lotado e ema ulas semanais de vídeo-conferência nos templos da igreja, o que te leva a acreditar que ninguém pode questionar os erros e contradições da ICM? Sendo assim, gostaríamos, por exemplo, que você mesmo procurasse na sua Bíblia a resposta para algumas questões:
a) O clamor pelo sangue de Jesus é bíblico? Jesus Cristo legou ensino especificamente sobre isso? E seus apóstolos, redatores das cartas doutrinárias, fizeram alguma menção sobre tal ensino? Nossa opinião é que não é bíblico, pois não há nenhum versículo que torne obrigatório ao crente utilizar-se da recitação desta frase antes da oração. A Bíblia sempre aborda o sangue no sentido metafórico, fazendo menção ao sacrifício realizado por Cristo na cruz do Calvário, quando se fez cordeiro para o holocausto perfeito remindo os crentes do pecado. Jesus Cristo, também foi claro e preciso, deixando-nos um modelo de oração (Mat 6:9-13), na qual percebemos que a primeira atitude é glorificar o nome do Pai e suplicarmos, posteriormente, para o perdão, basta-nos, através de Jesus, pedimos arrependimento e livramento do mal. Portanto, onde está a obrigação irremediável de ter por que ter de usar obrigatoriamente a expressão “clamamos pelo poder do sangue de Jesus”, de modo que não podemos orar de acordo com a inspiração do Espírito (Rom 8:26), se tornando, assim, os membros da ICM reféns e constrangidos a recitar toda e qualquer momento de oração essa vã repetição? Se você concorda que a doutrina do “clamor” é um ensino bíblico, então pedimos encarecidamente que demonstre, de maneira civilizada, madura e cristã onde ele se fundamenta na Palavra, procure e nos mostre exemplos claros de que a Bíblia instituiu “o clamor” como uma das “três orações fundamentais da igreja (clamor, intercessão, glorificação)”.
b) A “Consulta à Palavra” é uma prática cristã? Nossa opinião também é que não, pois em nenhuma passagem bíblica está escrito algo que se assemelhe à consulta. Aliás, este ato nunca foi apoiado por nenhuma denominação cristã ao longo da história da Igreja, antes vemos essa prática em grupos bem divergentes e antagonistas ao cristianismo, como os esotéricos e agoureiros. A teologia chama isto de bibliomancia, os cristãos que levam a vida em Cristo também. Procure, portanto, na internet por esta palavra e veja quais grupos praticam a “Consulta à Palavra” (bibliomancia). Tire a prova você mesmo. Vá e veja! E um dos agravantes dessa heresia praticada pelos ICMs é o fato de que ela está atrelada ao batismo nas águas e ao batismo com o Espírito Santo, numa demonstração explícita de doutrina antibíblica. Sobretudo, frisa-se, pelo fato de atribuir a Deus variações e contradições em suas decisões, na melhor de três tentativas, resultados positivos e negativos; sobre o qual Jesus foi claro, é de procedência maligna(Mat 5:37).
c) Os usos e costumes são vontade de Deus? Mais uma vez, acreditamos piamente que não. Essa expressão, usos e costumes, também recebe outro nome: legalismo. Na Bíblia, vemos que homens de Deus utilizavam barba. E sem dúvida eles não se vestiam das vestes de hoje. Será que Deus levará para o inferno uma cristã dedicada pelo fato da mesma trajar uma calça comprida? Ora, se só é uma “mera questão” de costume da Denominação, por que intervir e intrometer-se na espiritualidade, na comunhão, no afeto, no trabalho do cristão para Deus? Se não tiver nos conformes da aparência (leia-se “padrão da Obra”), não pode pregar, não pode evangelizar, não pode batizar, não pode ir ao Maanaim, não pode isso e aquilo, não pode, não pode… O Senhor Jesus e seus discípulos em algum momento julgaram a espiritualidade de alguém por causa da aparência? Deus olha para o exterior? Deus estabeleceu alguma “farda” ou “uniforme” para o cristão? Ou melhor, alguma selagem, circuncisão ao cristão? O que é que tem num paletó de tão especial, a ponto de impedir a subida ao púlpito de um pastor “à paisana”, experiente na fé, para dar lugar a um obreiro neófito “empaletozado”? O que é que uma barba tem de escandaloso e o bigode não tem, de sorte que o barbado não poderá orar após o culto junto ao visitante? A única doutrina bíblica é a de que o servo é necessário se ataviar com decência e modéstia (1Tm 2:9), mas jamais houve a imposição de um determinado tipo de roupa, aparência, farda, traje e estética. Deus tem parte no militarismo (sem ironia)? Pense nisso. Medite nessa passagem: Marcos 7; Felipenses 3:3; e Gálatas 5. Reflita sobre o que é o fermento e circuncisão.
d) Dízimo. É bíblico – é, mas é uma doutrina cristã? Na nossa opinião, embasada nas Escrituras, não. Muito embora a maioria das denominações (a ICM incluída), vivem isoladamente de um fragmento da Lei de Moisés, que é a ordenança de contribuir com a décima parte de seus proventos mensais, perguntamos: em que parte do Novo Testamento é ensinado que somente essa parte específica e isolada da Lei Judaica não fora abolida? Jesus viveu a Lei, e a transição feita por Jesus se cumpriu após o holocausto perfeito, estabelecendo a Nova Aliança, abolindo a Lei (2Co 3:14). Então, por que pregar os 10%? Questão de fé? Paulo (Gl 5:3) e Tiago (2:10) nos diz claramente que se procurarmos nos ater a um artigo da Lei, devemos, em verdade, guardá-la toda.
Se for para guardarmos a Lei, então por que os varões não mutilam o prepúcio? Por que não apedrejam as mulheres que traem seus maridos ou os filhos desobedientes? Por que não guardam o sábado? Tudo isso não são ordenanças da Lei dos judeus, que também devem ser guardadas, juntamente com o dízimo? Somos judeus ou gentios?
Jesus não nos disse que devemos é amar o próximo, tal como Ele nos amou – Mateus 25 – de modo que isso será critério para separar o joio do trigo no Grande Dia? Por que sempre justificar o dízimo em polêmicas judaicas do Velho Testamento através do Livro de Malaquias ou pela famigerada passagem de Mat 23:23? Repito: Somos judeus ou gentios? Por que não recorrer a versículos que versam sobre desobediência ao sábado, também, repudiada por Deus no Velho Testamento? Estamos debaixo da Graça ou da Lei? Somos salvos pelas obras da Lei, do dízimo ou da Graça? Paulo em1Co 16:1-2 2Co 9:7 fala em oferta aos irmãos necessitados ou em dízimo à igreja para manutenção de gastos? No Livro de Atos lemos ofertas voluntárias, tendo todas estas ofertas um cunho exclusivamente social e não a manutenção arquitetônica de templos e mais templos, como fazem muitas denominações, que preservam os mais luxuosos ambientes, enquanto boa parte dos membros vive em favelas e em dificuldade financeira, refletindo na alimentação, saúde e moradia.
Outros citam que devemos recorrer a base do dízimo a Abraão. Ora, Abraão sacrificou, estabeleceu a circuncisão, guardo o sábado, e por que devemos tão-somente considerar o dízimo? O Sacrifício de Cristo não fora perfeito, completo de modo a tornar-se tudo novo?
Essas são quatro reflexões entre outras dezenas que poderiam ser colocadas aqui. Temos muitas outras publicadas na comunidade Já Fui Um Maranata, no Orkut. Se quiser conhecer mais, basta acessar. Sabemos que muitas barreiras ainda precisam ser vencidas para você querer estar ali, entre elas o medo de ser descoberto pelo PES ou membros delatores, e uma fobia que fora incutida progressivamente em sua mente de que “desobedecer” a “orientação” oriunda do PES é pecar contra o Espírito do próprio Deus. Mas, seria mesmo pecar contra o próprio Espírito Santo? Estão inclinando a infabilidade papal adotada pelo catolicismo? Então, por que reprovam o papismo católico?
Gostaríamos de deixar claro que você não precisa se identificar para acessar, basta criar uma conta anônima, sem publicar sua foto ou nome. É simples e rápido. A grande maioria dos irmãos, de lá, são anônimos, porque, infelizmente, temem serem perseguidos, detratados, julgados, acusados e difamados por fundamentalistas, ou que seus parentes, que ainda integram o rol de membros por lá, venham, de alguma forma, ter retaliações por parte da liderança. Afinal, todos nós sabemos o lado tenebroso do fanatismo religioso. Isto sem contar que muitos ex-adeptos da “Obra” são agora rejeitados por alguns dos próprios familiares.
Portanto, agora acreditamos que você conseguiu finalmente compreender o que ocorre no Orkut, especialmente na comunidade ora citada. Talvez, num primeiro momento, você discorde radicalmente do que fazemos, mas temos certeza que estas quatro reflexões ficarão para sempre reverberando na sua mente. E, se refletir com parcimônia, entenderá que o que nós fazemos é idôneo e até mesmo bíblico, visto os exemplos da história da Igreja Cristã.
Entenda, caro leitor, que ao longo da história, muitos líderes, seja religiosos ou políticos, se valeram da Censura para manter o controle de determinados fins, da restrição de informação para inibir o senso crítico dos subalternos e a descoberta daquilo que estava oculto perante os olhos. A própria Censura mesma já foi praticada aqui no Brasil durante longos anos e, ainda é utilizada, infelizmente, em outros países, bem como presente em muitas religiões fundamentalistas, cheias de abusos e castigos absurdos para aqueles que “pecam” de alguma forma contra o seu sistema religioso. Caso não saiba o que é a Censura, procure na internet, a Wikipédia traz coisas interessantes sobre o assunto.
A verdade é que é muito mais fácil proibir o acesso aos questionamentos do que rebatê-los, principalmente quando estes partem de um grande número de pessoas que possuem argumentação sólida, consistente, fundamentada e verdadeira, caso que ocorre na comunidade „Já Fui Um Maranata‟. Não queremos aqui dizer que a ICM utiliza de um regime ditatorial, mas algumas posições são contrárias àquilo que entendemos como liberdade cristã e constitucional. Frisa-se que não estamos, como alguns insistem em dizer equivocadamente, apregoando libertinagem; longe disso, mas advogamos, sim, à liberdade que Paulo se esforçou tanto em ensinar aos cristãos da Galácia, escravos dos usos e costumes judaicos impostos pelos cristão-judaizantes. Apregoamos, portanto, uma liberdade santa, pura, compromissada com Jesus Cristo e Seu Evangelho, sem fermento, sem doutrinas de homens e acréscimos burocrático-religiosos dogmáticos.
E agora queremos fazer uma observação: questionar os dogmas da ICM seria crime, como faz parecer e induzir alguns? Não, não é. Se assim o fosse, você também não poderia tentar persuadir qualquer um a mudar de religião, nem mesmo a ICM poderia criticar outras religiões, outros grupos. Sendo nós criminosos, ela também é; vide o conteúdo dos seus Seminários e algumas Reuniões “temáticas”. Então, é importante destacar que tudo aquilo que vem sendo feito no Orkut, em especial na comunidade „Já Fui Um Maranata‟, não constitui atividade criminosa alguma só por relacionar o nome da Denominação.
Sabemos que há muitos criminosos no Orkut, pessoas que apóiam o uso de entorpecentes, o suicídio, o alcoolismo, a prostituição, a pedofilia, o tráfico de drogas e armas, o nazismo, a violência, entre muitas outras coisas. Qualquer pessoa sã, racional, moderada, prudente, sabe que o Orkut é um espelho social, isto é, o Orkut é apenas a sociedade como um todo no mundo virtual. Portanto, há pessoas de mau caráter, de bom caráter, incrédulas, cristãs, pagãs, hereges, fiéis, imorais, libertinas, probas, retas, enfim, como o mundo e a Igreja. Da mesma forma, a internet como em sua totalidade está repleta disso. Cada qual se associará ali às pessoas e Comunidades que lhes forem pertinentes, salutar para sua condição, de interesse pessoal, assim como fazem na vida cotidiana.
Aliás, a sociedade, de um modo geral, está contaminada com estas práticas desagradáveis, e nem por isso vemos “orientações” ou “revelações” na ICM, de cunho óbvio, para não comungar com as trevas que permeiam a sociedade. Proibir o uso do Orkut seria, verdadeiramente, proibir que o membro da ICM parasse de caminhar e viver em sociedade. É possível vivermos sem estarmos na sociedade? Claro que não! Como estudaremos? Como trabalharemos? Como nos deslocaremos? Como evangelizaremos? Como seremos sal e terra para o mundo? Estamos no mundo, mas não fazemos parte (comungamos) do mundo.
Reiteramos que jamais apoiamos nenhuma atividade criminosa. Somos totalmente contrários inclusive ao preconceito e à discriminação religiosa. Temos amigos, parentes, funcionários, patrões, entre outros, na ICM, e não os queremos como inimigos, de forma alguma. Questionamos e expomos o sistema da ICM: sua doutrina, seus dogmas (ensino sem fundamento bíblico tomado como verdade absoluta), suas diretrizes, enfim. Você, leitor, como ser humano, pensante que é, saberá discernir entre as duas coisas.
Exemplo: Paulo não tinha os cristãos gálatas como inimigos ou ridicularizava-os, embora tenha os chamado de insensatos (Gal 3:1). Jamais ele canalizou sua refutação sobre as pessoas deles, e sim nas obras (produto da Mentalidade) que eles estavam praticando erroneamente. A diferença é sutil: um fraco na fé não perceberá e achará que Paulo atacou os irmãos da Galácia, mas não foi isso que ocorreu, de forma alguma. É como um pai que ensina uma criança, ele não quer o seu mal, mas sim distanciar o mal (erro) de sua vida.
Outra coisa: talvez, ao nos referirmos à ICM como religião, remoa algo negativo por parte de você, caro leitor. Pedimos para compreender que, no nosso entendimento, a ICM não é a “Obra do Espírito Santo” como muitos gostam de afirmar, proclamando orgulhosamente frases de alto teor herético e exclusivista como, “essa Obra Maravilhosa2”, “essa Obra Perfeita”, “essa Obra é a Igreja Fiel”, e a pior de todas: “essa Obra é filho único”, entre outras que exteriorizam tal devoção e veneração a essa entidade “Obra”. Tampouco creditamos à outra denominação religiosa essa prerrogativa de um “status” de Divindade, por mais comprometida que seja.
 2 Obra Maravilhosa – ao usarem essa expressão, sutilmente elevam a entidade invisível “Obra” a um status de Divindade, pois esse termo “Maravilhoso” é um atributo messiânico peculiar do Senhor Jesus, vaticinado pelo profeta Isaías. Subjetivam também a infalibilidade dessa idolatria ideológica através da expressão “Obra Perfeita”, como citado no texto.
Todos os religiosos exclusivistas e sectaristas afirmam coisas parecidas e, para nós, esta é apenas mais uma religião sectária constituída por homens. As denominações são produtos da mente humana, da idealização de alguns (bem intencionados ou não), do orgulho, da intolerância, da ganância, da vaidade do homem ou mesmo da sua cegueira espiritual em não reconhecer a simplicidade do Evangelho e da Igreja de Cristo. Dentro das denominações há pessoas, e são essas pessoas que importam para o Senhor Deus, e não os estatutos, CNPJ‟s, edifícios, tijolos, relatórios, administração burocrática, ainda que muitos líderes, tendenciosamente, ensinem isso para que esses adeptos se dediquem nos propósitos apenas de expansão e manutenção da estrutura institucional.

Deus, em verdade, se importa com a igreja que há dentro dessas instituições. Não questionamos a índole ou os ideais dos fundadores da ICM, não obstante haja pessoas com esse fito, apenas cremos, com base nas Escrituras, que eles estão errados em impor coercitivamente (de forma jeitosa e indireta) padrões comportamentais, espirituais, inserindo práticas que não estão fundamentadas na Bíblia, baseados tão-somente em suas opiniões e caprichos, e, ainda assim, quererem afirmar que são a única e exclusiva “Obra Revelada” na face da Terra, ou a única baseada e assemelhada com práticas da Igreja Primitiva ou ao período apostólico, inclusive cometendo o disparate infantil de afirmar em alto e bom som que se Paulo fosse vivo seria, seguramente, um membro da ICM. Ao afirmar, implicitamente, que a ICM é a igreja mais correta de todas, seus membros, embalados por isso, acabam pendendo para a jactância, a vaidade e o orgulho religioso, posteriormente ao fanatismo, de crerem fazer parte de uma “elite espiritual”, ou seja, a “Igreja Fiel”. Soberba não procede de Deus.
Portanto, entenda de uma vez por todas, amado leitor, que não somos criminosos e nem incentivamos práticas criminosas. Talvez até exista entre nós (Já Fui Um Maranata) alguém que haja em desacordo com a lei dos homens e a moral de Deus, mas esta não é a nossa bandeira, e que tal indivíduo infrator não conta com nosso apoio ou aprovação. Saiba que, se um dia qualquer delito vier a público, seremos os primeiros a concordar com as medidas judiciais capazes de punir tal atitude ilegal, e que daremos todo o apoio às autoridades públicas naquilo que for necessário. E se isto acontecer, tenham a certeza que criminosos podem existir em todos os lugares, inclusive dentro de uma das congregações da Igreja Cristã Maranata.
Portanto, voltando ao primeiro parágrafo do texto, é fundamental dizer o desfecho de tudo: sim, a empresa Google foi acionada judicialmente pela ICM por nossa causa, e o nome dos irmãos, digamos, mais contundentes e perspicazes contra o sistema da ICM estavam atrelados ao processo. Felizmente, houve bom-senso por parte do magistrado, que percebeu não haver má-intenção por parte dos membros das comunidades, nem mesmo por parte dos seus donos. O juiz entendeu perfeitamente que todos que estavam ali tinham bons propósitos, não havia ninguém incitando a xenofobia religiosa, utilizando o nome da igreja para promoção pessoal ou qualquer coisa do gênero.
No entanto, é interessante observar que mesmo derrotada logo no primeiro momento (o juiz negou o pedido de liminar pela exclusão de certos usuários e das comunidades do Orkut que carregavam o nome “Maranata”), uma vez que a ICM tinha argumentos completamente incoerentes, desproporcionais, tal Denominação continuou insistindo nisto até o fato tornar-se público. Só após a notícia sobre o  processo ter sido veiculada no Orkut, na famigerada comunidade „Já Fui Um Maranata‟, pela ciência de irmãos de outras denominações que usam o termo “Maranata” em seu nome, e, sobretudo, pela própria Associação Missionária Evangélica Maranata – AMEM tomar ciência, a qual é, na verdade, a que detém os direitos legais do termo “Maranata”, foi que a ICM, então, diante do constrangimento, finalmente optou pelo caminho correto e então, numa atitude de sensatez, retirou as equivocadas acusações. Mesmo assim, ficamos tristes em saber que tudo poderia ser resolvido de forma muito mais amigável.
Gostaríamos de deixar bem claro para todos os que nos acompanham que a comunidade „Já Fui Um Maranata‟ está de portas abertas aos membros do Presbitério Espírito Santense (PES), para que os mesmos possam responder às nossas indagações de forma respeitosa e, acima de tudo, com base bíblica. Jamais proibimos qualquer pastor ou membro da igreja de se posicionar favoravelmente à denominação em nossa comunidade no Orkut, desde que tudo seja feita de maneira equilibrada, sem ofensas pessoais, ameaças, espraguejamentos ou coisas desse tipo.
Aproveitando o ensejo, gostaríamos de afirmar que todo o nosso posicionamento está devidamente firmado na nossa Constituição Federal e nas Escrituras, acima de tudo. Em nada desrespeitamos ou apoiamos qualquer atitude de desrespeito às leis do nosso País ou à Palavra de Deus. Estamos plenamente baseados nos princípios de respeito e amor ao próximo e queremos o melhor para todos os seres-humanos.
Sendo assim, gostaríamos que você, leitor, observasse alguns trechos da Carta Magna:
Constituição Federal – Art. 5°
VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e suas liturgias;
VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura e licença. (grifos nossos)
Gostaríamos de deixar bem claro para todos que apenas exercemos a nossa liberdade de consciência e credo, um direito do qual não podemos ser privados. Infelizmente a nossa ideologia pode ser extremamente contrária àquilo que você pensa, por pertencer à Religião ICM. No entanto, não é crime declarar-se divergente às suas doutrinas, usos e costumes; fazemos isso por questão de fé, crença, pois somos norteados pelos ensinos cristãos a pregar o Evangelho do Senhor Jesus (de forma pura), a ajudar o próximo, os necessitados, os oprimidos, os abusados por sistemas sectários e compreender e defender a fé cristã.
E a publicação daquilo que pensamos também não constitui crime, levando-se em conta que apenas exercemos a nossa liberdade de expressão. Não estamos num país cujo sistema vigente seja o ditatorial ou teocraticamente regido pelo “deus” da ICM, numa “Ditadura Religiosa”. Tampouco somos contemporâneos da Inquisição Católica, na Idade Média, na qual qualquer pensamento contrário era perseguido ao extremo. As nossas publicações são meras representações intelectuais da nossa fé, sem incentivar a agressão ou a violação de patrimônios, templos ou pessoas – seja da ICM ou qualquer outro grupo religioso. Não invadimos os cultos da ICM ou a caixa de emails de membros para entregar folhetins ou mesmo os artigos do blog. Aliás, é facultativo, opcional o acesso ao blog, ou seja, não obrigamos ninguém a digitar o endereço do blog e ler os textos do mesmo em seu navegador de internet ou no sistema de busca do Google ou afins. Entre, acessa e lê quem quer.
Outro fato: o que fazemos nunca foi para benefício pessoal, coletivo ou para enriquecimento próprio, pois não temos patrocínio, não somos auxiliados por nenhuma Denominação religiosa, e nem fazemos propaganda para outra e tampouco queremos praticar à gananciosa e viciosa prática, que caracteriza muitas denominações, que é de “pescar no aquário dos outros”. Pelo contrário, muitas vezes investimos até muito tempo (debruçados sob diversos temas que geram discussões elucidativas) para tentar explicar os erros doutrinários da ICM (dos quais somos convictos), momentos estes que poderiam estar sendo empregados em outras atividades, até mesmo de rentabilidade. Mas fazemos isto debaixo da Palavra de Deus, por amor ao Senhor Jesus, por sensibilidade e valorização do sacrifício da cruz, por pura compaixão aos irmãos da ICM que sofrem e sofreram o que sofremos, direta ou indiretamente, com as negativas experiências do sistema, e, portanto, não pararemos de fazer isto, tendo em vista os seguintes textos:
“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura.” Marcos 16:15
“E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos.” 2 Coríntios 4:13 
“(…) porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim.” Atos 17:11b
Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho.” Filipenses 1:17
“SEDE meus imitadores, como também eu de Cristo.” 1 Coríntios 11:1
“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema. Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.” Gálatas 1:8-9
Caros leitores: não pararemos de pregar o Evangelho que de graça nos foi legado por Cristo e elucidado pelo Espírito Santo, não pararemos de falar sobre o que cremos, não pararemos de deixar bem claro para os leitores da Já Fui Um Maranata e do Blog todos os erros doutrinários e sem base bíblica da Denominação ICM e não nos portaremos de maneira omissa, passiva ao vermos uma pessoa pregando um evangelho diferente daquele pregado pelo Senhor Jesus e pelos apóstolos, deixando bem claro o que as Escrituras dizem sobre aqueles que anunciam um evangelho diferente deste, cujo produto disso levam os ouvintes a morte espiritual, tornando-se pessoas totalmente distintas do modelo de um cristão, na pura essência, levando-as a uma mudança obscura de caráter e a ter infortúnios em várias esferas da vida, muitas vezes.
O nosso objetivo não é ofender pessoas, nem ridicularizar a religião das mesmas denegrindo de forma irresponsável a imagem da ICM com acusações infundadas, relatos mentirosos, agressões gratuitas, calúnias e difamações, atacando implacavelmente famílias ou pessoas de lá. Toda crítica tecida se dá calcada em algum ponto doutrinário e costumeiro que perfaz a Denominação em questão, confrontadas à luz do Evangelho, da doutrina cristã, ou seja, da Bíblia.
De igual modo, também asseguramos o direito de resposta para todos aqueles que se posicionem contra nossas argumentações, inclusive concedendo o nosso espaço àqueles que são parte integrante do PES, com uma única ressalva: de que façam valer a sua participação de forma respeitosa aos membros da comunidade, discutindo e debatendo o tema proposto, ao invés de partir para ofensas de cunho pessoal, exposição da vida alheia, enfim, se concentrando tão-só nas pessoas, e esquecendo o assunto. Tenham moderação em Cristo, produzindo o fruto do Espírito – domínio próprio – e não acusem ninguém de rótulos clássicos, tais como: vadios,  libertinos, caídos, pecadores, etc. Não sigam exemplos de determinadas pessoas. Siga o exemplo de Cristo.
Para aqueles que nos acusam por causa do nosso pseudo-anonimato, gostaríamos de dizer que só procedemos assim por motivo de segurança, própria e de familiares que ainda estão na ICM. Como já dissemos, sabemos das implicações do fanatismo religioso. Mas que estaremos sempre dispostos a colaborar com a Justiça se convocados para qualquer esclarecimento e que nunca nos eximiremos disto quando requerido por instâncias superiores. Esta é uma prática corrente em diversos órgãos de imprensa (por exemplo, a Revista Veja), que não divulgam os nomes dos autores de determinadas matérias, salvo exigência judicial. Apenas agimos como os mesmos, não estamos nos esquivando, de forma alguma, de uma possível prestação de contas.
Por último, gostaríamos de declarar a nossa solidariedade com os membros da ICM que se sentem indignados pelo capital empregado neste processo sem propósitos. Também achamos isto lamentável e dizemos mais: quão bom seria se todo o dinheiro e tempo desperdiçado tivesse sido revertido em prol dos membros carentes que necessitam de uma maior atenção social por parte da instituição, assim como Jesus fez com os irmãos ao dar peixinhos e pães, assim como era na Igreja Primitiva, onde um ajuda ao outro, enfim, como o Senhor nos determina em Mateus 25. Engana-se quem aprendeu e ensina que isso é “evangelho social”. É a mais pura expressão de ser luz para os necessitados (Mateus 25:34-46). Temos ainda a certeza de que muitos leitores não sabiam sobre essa aventura judicial da ICM, uma vez que informações dessa natureza, questões administrativas, dificilmente (para não dizer jamais) chegam aos ouvidos dos fiéis deliberadamente, senão através do mexerico do disse-me-disse.
Lamentável!
“Pois, enquanto os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria, nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos…” 1 Coríntios 1:22-23
Que o amor e a paz de Cristo sejam com todos os servos de Deus na face da Terra. Amém.
Para melhor compreensão dos leitores, segue abaixo a transcrição de uma postagem na comunidade Já fui Um Maranata do irmão Cavaleiro Veloz, membro dessa, onde o mesmo faz citação do referido processo, mencionado no presente texto:
“(…) processo 035.08.001862-1 em curso na 6ª. VARA CÍVEL DE VILA VELHA – ES em face da GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. Formalmente, a ICM-PES pretende, por seus advogados (sete ao todo), uma AÇÃO ORDINÁRIA DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS com pedido de liminar e MULTA DIÁRIA DE R$ 10.000,00 (dez mil reais) pelo descumprimento de decisão judicial, visando a EXCLUSÃO DAS COMUNIDADES onde apareça, especialmente, a palavra MARANATA (que a Autora entende ser exclusivo). Em sua inicial autuada em 18.02.2008 a ICM-PES alega que:
1. “A Igreja Cristã Maranata é uma instituição religiosa sem fins lucrativos, administrada por um ministério pertencente ao povo cristão. Seus pastores e obreiros não são remunerados. São pessoas que vivem de seus próprios recursos financeiros e por gratidão a Deus contribuem como voluntários orientando a sociedade a amar e temer a Deus, a honrar e respeitar as autoridades constituídas, ensinando educação cívica, ajudando a preservar em harmonia a base social, a família.” (…)
2. “As práticas criminosas no serviço ORKUT incluem terrorismo, racismo, instigação e auxílio ao suicídio, pornografia infantil, tráfico ilícito de entorpecentes, comercialização de medicamentos de uso restrito, apologia e incitação ao crime, exercício arbitrário das próprias razões, formação de quadrilha, estelionato, além de penosos casos de ofensa à honra de celebridades e pessoas comuns (criação de “perfis” falsos contendo injúrias, calúnias e difamações de toda espécie).” (…)
3. “Podemos citar a comunidade do Orkut denominada “JÁ FUI UM MARANATA” a qual, dentre outros desagravos que serão discutidos posteriormente em ação própria, utiliza-se ILEGALMENTE da imagem de uma das igrejas da autora com as devidas inscrições “IGREJA CRISTÃ MARANATA – O SENHOR JESUS VEM”.
4. “Ora, se a pessoa está insatisfeita com o suposto “processo de liderança” do Presbitério não é mais membro da Igreja Cristã Maranata, ele já fez o que todos que se encontram insatisfeitos deveriam fazer, ou seja, SE DESLIGAR e formar suas próprias denominações, baseassem suas convicções, sem que, para isso, fosse necessário manchar o nome de uma instituição religiosa respeitada, como a Autora.” (…)
5. “O dano à imagem da autora é tão patente, que na comunidade “JÁ FUI UM MARANATA” existe cópia do estatuto da igreja feita pelo usuário “Cavaleiro Veloz” (anônimo). O mesmo comenta o Estatuto com o intuito de ridicularizar a Igreja. A comunidade “JÁ FUI UM MARANATA” tem como mediadores ArmiaKrajowa, Antônio Fonseca e Bereiano. Com a publicação do estatuto no referido site de relacionamento, outro usuário, o “Cristão Comum”, em conluio com o acima citado (Cavaleiro Veloz) dirigiu comentários a cada artigo do estatuto, ridicularizando os nomes que a igreja se utiliza, seus responsáveis e a imagem construída ao longo dos anos.” (…)
6. “Sendo assim, a Autora REQUER, em caráter liminar, que seja a empresa Ré compelida a excluir de seus sites de relacionamento denominado Orkut, Google Grupos e outros sítios de seu site e domínio, que expões o nome da Igreja Cristã Maranata – Presbitério Espírito Santense; Igreja Maranata; Maranata; Maranata – Presbitério da Igreja Cristã Maranata; Maanaim do Espírito Santo; Maanain e outros que caracterizam vitupério ao bom nome da autora, sob pena de multa diária no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais) em caso de descumprimento, inclusive, levando em consideração que a mesma foi notificada, via faz (Google Brasil 11-3797-1001)” (…) 
7. “Ao final, seja julgado procedente na totalidade a presente demanda, confirmando-se a Liminar e m todos os seus termos, com a EXCLUSÃO definitiva dos perfis acima citados, que relacionam o nome da Igreja Cristã Maranata – Presbitério Espírito Santense; Igreja Maranata; Maranata; Maranata – Presbitério da Igreja Cristã Maranata; Maanaim do Espírito Santo; Maanain e outros que caracterizam vitupério a autora, condenando a empresa Ré a titulo de danos morais à imagem o valor a ser calculado em execução de sentença, baseado no faturamento mensal da empresa Ré, contabilizando os dias que o nome da Autora está sendo vinculado ao seu site, em todas as suas páginas, desde já e ainda, seja condenada a arcar com todas as custas judiciais, além de honorários advocatícios se sucumbências no percentual de 20% sobre o valor da condenação.”
8. A inicial é assinada por sete advogados: CARLOS ITAMAR COELHO PINENTA – 0AB-ES 8.198; CARLOS SANDRO VANZO PIMENTA – 0AB-ES 9.209; FLÁVIA VICENTE PIMENTA – 0AB-ES 9.433; MARIO LUIZ DE MORAIS – 0AB-ES 11.693; JOSÉ LUIZ OLIVEIRA DE ABREU – 0AB-ES 12.741; CARLOS ROBERTO MARTINS – 0AB-ES 11.992; MATHEUS FRAGA LOPES – 0AB-ES 13.782. Número cabalístico. SETE! A outorga do instrumento de procuração é da responsabilidade do Secretário ARLÍNIO DE OLIVEIRA ROCHA (evidentemente o Presidente GEDELTI VICTALINO TEIXEIRA GUEIROS não quer que o seu nome apareça).
9. D.R.A., em r. Despacho de 14.08.2008 o MM. Juiz lembrou que “A comunidade „Já Fui um Maranata‟, cuja cópia da página inicial foi colacionada a fls. 32, única que indica participação de membros da igreja e ex-membros, deixou expresso o seguinte: “ps.: essa comunidade não visa ao ataque da ICM e sim o compartilhamento de experiências vividas dento desta e suas conseqüências nas vidas dos mesmos” (…) Cuidam ainda os presentes autos de caso de conflito prático entre dois princípios constitucionais, o de liberdade de convicção e o da liberdade de manifestação e comunicação, sendo caso de ponderação de princípios, haja vista que norma alguma é absoluta.”
10. O MM. Juiz INDEFIRIU O PEDIDO DE LIMINAR por estes e outros fundamentos e “pela ausência dos requisitos de sua concessão”; e determinou a citação da Empresa Ré, pena de revelia.”
Tópico completo em: