maranata – Ao curioso deve ser explicado tudo de forma evasiva e superficial – “não podemos revelar o segredos dessa Obra”.

“OBSCURANTISMO” – Uma doutrina da ICM
2.1.5. O Obscurantismo é o método de governo que oculta fatos e argumentos que possam denunciar ou contradizer os atos, as decisões e as afirmações de certos grupos que se arvoram donos da verdade. É um recurso político e religioso que se opõe a difusão do conhecimento entre os subalternos do sistema.

É um estado de espírito oposto à razão e ao progresso intelectual e material; um desejo de não instrução ao povo; engenhosamente objetivando um estado de completa ignorância (desinformação) aos subordinados. Seja conhecimento a nível social, político, religioso e cultural, é o sistema que nega a instrução e o conhecimento às pessoas para preservar o estado de ignorância de modo a facilitar o poder de controle das Instituições.

2.1.5.1. O Secretismo Religioso é um dos artifícios amplamente recorridos na Maranata. O caráter secreto é um inerente atributo das reuniões e encontros do sistema religioso da Maranata cujo objetivo é tornar seu sistema fechado, isolado, a fim de não expor as intimidades dos conteúdos teológicos, das decisões administrativas e das determinações sobre a vida das pessoas enquanto membros da Maranata.
.
Há uma enormidade de reuniões com caráter secreto, para as quais, rigorosamente, só determinadas castas “superiores” ou “edificadas” da igreja podem participar. Os componentes dessas reuniões ou encontros seguem a cartilha de que jamais podem revelar o conteúdo ou assunto tratado, para que se mantenha oculto, em mistério, as matérias expostas aos não participantes.

Além da parte prática, que é ocultar informações e decisões dos visitantes e membros, o secretismo religioso tem o poder de suscitar, naturalmente, nos adeptos das reuniões às portas fechadas a sensação de mistério e privilégio espiritual sobre o restante dos membros não participantes, comumente reputados pelo sistema como “não-edificados” suficientemente para receberem tal “conhecimento”.

As práticas secretas estimulam uma vaidade elitista, orgulho religioso e ostentação espiritual ao participante. Reuniões de pastores, “culto-proféticos”, seminário de 7º período, “grupo de intercessão”, algumas reuniões de jovens, reunião de obreiros, são exemplos de reuniões que são revestidas da capa do obscurantismo religioso.

2.1.5.1.1. De acordo com a teologia da Maranata, Deus revelou a liderança “Segredos da Obra”. Se há secretismo religioso entre os internos, por conseguinte, em relação aos de fora, é mais acentuado. Muito embora as palavras de Jesus asseverem que tudo que se falar às escondidas deve ser anunciado sobre os telhados e nada há oculto para que seja revelado, na Maranata, porém, é ensinado que Deus houvera revelado “segredos da Obra” especialmente a seus fundadores, de tal sorte que é terminantemente proibido se falar dos detalhes e minúcias do sistema da Maranata a pessoas não-membros.

Tais “segredos” seriam as doutrinas originais e particulares da teologia da Maranata, assim como os conteúdos expostos em seminários, reuniões, encontros e distribuídos em apostilas. Ao curioso deve ser explicado tudo de forma evasiva e superficial – “não podemos revelar o segredos dessa Obra”.

Seminários, cultos e reuniões, por exemplo, são proibidos expressamente de serem gravados, seja até mesmo em áudio. Já se chegara até a proibir meras filmagens e fotografias dentro dos “maanains”, a fim de preservar a sensação de mistério e pretensão espiritual do local.

2.1.5.2. A Falta de Prestação de Contas ou Intransparência Orçamentária é diretriz basilar do governo da Maranata. Os valores arrecadados dos dízimos e ofertas são omitidos dos adeptos, ficando tão-somente sob a ciência do Presbitério (em matéria geral) e do pastor e tesoureiro (a guisa local).

Não há prestação de contas ou exposição do memorial descritivo de custos e arrecadações mensais aos membros, tampouco dos negócios firmados pelo Presbitério na aquisição e alienação de bens. O Estatuto da Instituição Religiosa, também, é omitido dos membros que não podem reclamar o seu acesso e ciência, sob pena de sofrerem retaliações e sanções.

Não obstante ensinarem que “o maanaim é dos membros”, não se justifica o motivo pelo qual levou a alienação de algum deles. Tudo é muito oculto e nada pode ser revelado em matéria que envolva administração de finanças, as quais estão totalmente a mercê da consciência do Presbitério.

E a Palavra do Senhor Jesus diz:

“Jesus lhe respondeu: Eu falei abertamente ao mundo; eu sempre ensinei na sinagoga e no templo, onde os judeus sempre se ajuntam, e nada disse em oculto.”
 João 18:20

“Porque não há ninguém que procure ser conhecido que faça coisa alguma em oculto. Se fazes estas coisas, manifesta-te ao mundo.” João 7:4

“Porque nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se. O que vos digo em trevas dizei-o em luz; e o que escutais ao ouvido pregai-o sobre os telhados.” Mat 10:26-27

E Paulo explica o motivo pelo qual seitas utiliza a política do obscurantismo:

“Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade.”2 Co 4:2

Sugestivo e muito.

Em Cristo.

Fonte:http://obramaranata.wordpress.com/governo-e-organizacao/

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/04/poder-camaleonico/#comment-12612

maranata – Aqueles que fazem vista grossa, são honestos, e mesmo tendo ouvido as diversas denúncias, não querem se aprofundar nelas, e permanecem por medo mesmo, acreditando estarem na “obra filho único de mãe solteira”

Desculpem a franqueza no que vou postar agora. Não quero ofender ninguém, mas classifico quatro tipos de pessoas, ligadas a icm, nesta hora:

1) Os que tomaram conhecimento de bem mais do que a ponta do iceberg, ou seja, de toda a podridão submersa, de heresias, mentiras, falsas unções, politicagens, crimes, etc, e resolveram deixar o ninho sujo e fedorento, por estarem incomodados;

2) Os irmãos inocentes, coitados, que nem imaginam estar em lugar de tanta hipocrisia e falsidade. Podem perguntar, quem não sabe de nada ainda? Sim, queridos, tem pessoas simples, aqueles vozinhas por exemplo, humildes, os irmãozinhos desprovidos até de cultura, e estão com inteireza de coração, e até ficam tristes e oram por nós, quando saímos. Posso estar errado, mas estes, mesmo se permanecerem na seita, vão direto para o céu, mas como não sou Deus para garantir;

3) Aqueles que sabem de tudo e ainda participam ativamente dos diversos esquemas, e nunca pensariam em largar o “osso”, pois tem rabo preso mesmo, e

4) Aqueles que fazem vista grossa, são honestos, e mesmo tendo ouvido as diversas denúncias, não querem se aprofundar nelas, e permanecem por medo mesmo, acreditando estarem na “obra filho único de mãe solteira”, aceitando todos os mandos e desmandos, baixando a cabeça e cumprindo com tudo de forma subserviente. Muitos destes ainda, juntamente com as respectivas famílias, almejam insistentemente crescimento, vindo do “sinhôrevelou”, dentro da unção meia-sola e de funções (diaconato, unção, ordenação, grupo de intercessão, grupo de louvor, professor, frente de servas, etc), e a todo custo. Há ainda uma outra variante dentro deste grupo, que é o grato, por um favor recebido da seita ou dos seus gestores, resultando em um grande benefício, seja recebido em uma única prestação (como um bom empréstimo por exemplo) ou em gordas mensalidades (caso de vínculos empregatícios diretos com o pes, vínculos empresariais com alguns da seita, etc…) Denomino o quarto de “vaca de presépio”, e confesso que são esses alvos maiores da minha oração e trabalho, para que deixem a seita.

Os outros, deixo para os irmãos escolherem o nome que quiserem.

Deixo claro que tal classificação foi resultante de uma pesquisa no “teti-a-teti”, dentro do universo do meu conhecimento, na qual busquei entender o pensamento de quem se definiu por se retirar ou de quem decidiu permanecer, analisando as respectivas razões apresentadas.
E aí, o que acham? A Paz do Senhor a todos.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/06/desertores-quem-sao-e-onde-estao/#comment-12418