maranata – Nesta hora com todas as informções tem gente que ainda defende a seita, e até dizem que o homem é falho; nos seminarios a conversa é a mesma: essa é a única “OBRA”… não há outra…

Nesta hora com todas as informções tem gente que ainda defende a seita, e até dizem que o homem é falho; nos seminarios a conversa é a mesma: essa é a única “OBRA”… não há outra… não tem tempo para outra. a conversa é a mesma: o deus “OBRA” continua.
eu só não entendo o porque de tanta perseguição aos retirantes: pragas, maldições e etc. Deve ser o dizimo que caiu, e como toda seita é fechada, não admite a contestação daqueles que por eles são chamados “Desertores”. porque desertor é quem sai de um exército, só que este exército do Comendador não defendem os inocentes, mas bombardeam suas mentes com heresias, profetadas etc.
E depois que alguns saem, querem matá-los com bombardeamentos de mentiras, com a chamada teoria do medo, pois muitos escrevem como anonimos não só neste blog, mas em outras comunidades, porque dizem que vão processar.
Gente ruim, sem Deus, sem escrúpulos; mas o dia da justiça de Deus ja começou!
Um abraço fraternal.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/04/poder-camaleonico/#comment-12612

maranata – xingamentos de efeito devastador, nos enchendo de complexos, fazendo-nos sentir inferiores, culpados, devedores e inúteis. Um verdadeiro Bullying eclesiástico digno de processo

“Quero que valorize o que você tem.
Você é um ser, você é alguém, TÃO IMPORTANTE PARA DEUS.
Chega de ficar sofrendo angústia e dor,
Neste seu complexo interior, dizendo, as vezes que não é ninguém.
Eu venho falar do valor que você tem,(2x)
Ele está em você, o Espírito Santo está em você…”

Foi ouvindo esse louvor que entrei, depois de tantos anos, em outra denominação para assistir a um culto.
Não consegui parar de chorar porque me lembrava de tudo o contrário que ouvia nos seminários da obra.

Quantas e quantas vezes ouvi:
-Você é servo inútil;
-A obra não precisa de você!(esta vociferada pelo Gedelti);
-Somos devedores,
-Se você sair entra 3 em seu lugar;
-Uma encravada;…
E tantos outros jargões e xingamentos de efeito devastador, nos enchendo de complexos, fazendo-nos sentir inferiores, culpados, devedores e inúteis. Um verdadeiro Bullying eclesiástico digno de processo.

Quem são esses dirigentes da “obra” para dizerem isso para nós?

-Se nós não somos importantes, por que Deus enviou seu único Filho a morrer por nós?
-Se nós não somos importantes, porque somos chamados de a menina dos olhos de Deus?
-Em que somos devedores se Jesus já pagou um alto preço pela nossa salvação?
-Qual filho não é importante para seu pai?

E naquele dia eu saí daquele culto entendendo de forma tão clara o que o Cavaleiro Veloz explica tão bem neste artigo.
Digo a todos os retirantes e “ficantes” também, que nós somos sim, MUITO IMPORTANTES PARA DEUS.

Que cada um possa orar pedindo que Ele limpe as nossas mentes de toda essa lavagem cerebral que fizeram em nós, fazendo-nos achar que não somos ninguém.
Isso não é verdade. Nós somos o alvo do amor de Deus e ele nos quer livres de complexos e dominações.

A minha gratidão a Deus e ao CV por esta libertação.

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2009/11/a-linguagem-do-nao-pensamento/

Alucinados religiosos, e o vício das religiões

Alucinados religiosos, e o vício das religiões

[227960]

Sempre é salutar, consola, que alivia, edificante, conforme nos ensina a sã doutrina, que vivamos em comunhão, como disse o salmista: “Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união” [Salmos 133];

Esta união, comunhão entre os irmãos, nos fazem mais próximos uns aos outros, consolamo-nos, falamos das coisas de Deus, em louvores e adoração, esta união, comunhão, reunião de irmãos é tão somente a “universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus” [Hebreus 12];

Mas, onde devemos nos reunir ou viver em comunhão, congregar??
Temos obrigatoriedade de que estas reuniões ou a vivência em comunhão devem ser num lugar especifico??

Não! De forma alguma.
A Palavra de Deus (contida na Bíblia) não nos obriga e não faz referência a nenhum local que deve ser especifico para nossas reuniões, para que vivamos em comunhão. Não há relatos bíblicos que sustentem lugares específicos como tendo importância em si próprios; não há testemunho bíblico de que lugares sejam santos;

Estar em comunhão consiste em viver de acordo com a Palavra de Deus, amando ao próximo, é congregar com nossos irmãos em nome do Senhor Jesus, adorando a Deus em espírito e em verdade, falando entre nós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no nosso coração. Isto é congregar, isto é a Igreja, a Ekklēsia; independente do local onde se está reunidos.

Porém, muitas são as defesas na dádiva astuciosa, para atrair ou enganar, um mimo aliciador de que somente há comunhão, se e somente se, frequentar os lugares com placas de “igrejas”, a chamada igreja instituição (igreja física), que na verdade são as instituições religiosas criadas por homens, que constroem seus templos dando-lhes a camuflagem de serem lugares santos, de que estes lugares mórbidos são a igreja;

Existem evangélicosalucinados religiosos, que brigam para dar importância aos templos, que foram inventados pelo imperador pagão Constantino (por volta do ano 300 dC), estes alucinados dizem conhecer a Deus, em especial os que estão a frente da “igreja instituição” (igreja física), e aprofundam suas defesas ao “cristianismo”, que foi oficializado pelo império romano em defesa própria, e não aos interesses de Deus, pelo Édito de Milão

… estes evangélicos usam para a defesa dos seus “templos”, agora, chamados de “igrejas”, a publicação deste Édito, as edificações que foram patrocinadas pelo Império Romano.

Porquanto, podemos notar que a maioria dos evangélicos adora é aos “templos religiosos”, que colocam a confiança é em lugares com nome de “igreja”, e com isto desprezam o amor de Cristo, o sofrimento vicário de nosso Senhor e Salvador, que nos trouxe liberdade (tanto para nos depreender dos usos e costumes, como do local em que se adora) tão somente.

A verdade da Palavra de Deus (contida na Bíblia) sobre a Igreja de Deusde Cristo, diz:

Igreja não é templos [Atos 17.24; 1Coríntios 6.19], não tem placas, não tem endereço por que não tem como ser frequentada, não possui dono ou fundador, foi gerada antes da fundação do mundo, não precisa de CNPJ, é sustentada por Deus e não por dinheiro;

Igreja, não sendo exclusiva, sem nomes sugestivos religiosos, não controla vidas, não tem liturgias, não é uma organização, instituição ou “casa de Deus”, não se buscam bênçãos através dEla, pois, Ela é a bênção com a promessa feita por Cristo: a vida eterna [1João 2.25];

Igreja, se reúne onde estiverem dois ou três na comunhão em nome do SENHOR [Mateus 18.20] e em qualquer lugar, e não é necessário cantores (os tais levitas que não nasceram na tribo de Levi, porquanto, falsos levitas); a adoração é em espírito e em verdade [João 4] e não através de músicas;

Igreja são os santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso; Seu Líder é o Espírito Santo, quem ensina e derrama unção [1João 2.27];

Igreja, a noiva do Cordeiro, organismo vivo, são pessoas [Efésios 2] compradas por um bom preço, é edificada por Cristo [Mateus 16.18], suas leis são contidas na Palavra de Deus, Seu registro é o Sangue do Cordeiro.

Quando se sustenta e aceita que estar bem é frequentar e ser membro de um lugar com placa de “igreja”, a chamada igreja instituição (igreja física), as instituições religiosas criadas por homens, quando se aceita a camuflagem maligna de que o templo é um lugar santo, de repente se torna escravo, deixa de ser servo de Cristo, perder-se-á, portanto, os direitos e, por conseguinte, não se tem herança, passa-se a ser um despojo de guerra;

Conhecemos a Verdade, e verdadeiramente somos livres por Cristo, mas, quando se aplica que o descanso é em um lugar com placa de “igreja” (ou igrejas evangélicas e adjacentes), quando se passa a criar e aceitar “leis” ab-rogadas, quando se vive por crendices e imposições religiosas que desafiam a Autoridade de Deus, quando se usa do dinheiro como forma de agradar a Deus; torna-se criadores, perde-se a fonte do regozijo, deixa-se de servir, torna-se a somente ser receptáculos religiosos, não se compartilha, mas, recebe-se do pão da vergonha!!!

Por Cristo. Em Cristo. Para Cristo. Nos interesses da Igreja que Cristo edificou.

ICM – IGREJA FIEL – OBRA

CV, esse site incomoda pq não valoriza o que há de bom aquii nesta IGREJA FIEL e ainda nõ aentendeu que alguns membros da IGREJA FIEL erraram, mas já está sendo tudo envestigado pelo ministério publico. Estou muito triste com tudo issopois somos humanos sujeitos a erros Osartigo desapareceRÃO nas poeiras do tempo do fim e ficaRÃO no vazio. Vc. Perdeu a VISÃO DE OBRA por issoo site erra e continua errando. o foco do crtente não é falar mal de igraja com se pensasse que na IGREJA FIEL não possa existir desavenças E ERROS… Se ta tudo errado na ICM pq vcs não prega a Palavra de Deus? Sou icemita sim e vou continuar sendo pois a onda passa e tudo será novo. apdsj
.
.
Celma Antunes, entenda:

A INIQUIDADE TRANSBORDA! As DENÚNCIAS apareceram porque a elite foi avisada e não quis dar ouvidos. O chefe icemita está no foco das investigações. Confira nos artigos:
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/04/nota-a-imprensa/
.
http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/03/o-clamor-publico/
.
Desde que V. acredita que “alguns membros da IGREJA FIEL erraram”, ainda não alcançou o foco das denúncias: as autoridades estão apurando os crimes (em tese) e a cada dia aparecem mais DENÚNCIAS; mas e quando às heresias, falso profetismo, meias verdades, profetadas e revelagens que destruíram famílias e indivíduos? E quanto às maldições e perseguições em nome do maranatismo?

Lamento dizer que os artigos do Blog alcançam distâncias inimagináveis (e não me refiro à distâncias geográficas). Alcançam corações sedentos da verdade e isto ninguém tira. Quer aprova? As estradas estão cheias de retirantes deste sistema corrompido.

Neste contexto, sua postagem preconceituosa apenas exalta a denominação proclamada IGREJA FIEL (a expressão aparece três vezes em maiúsculas), pois o ensino dos Seminários da Obra é este: ICM – IGREJA FIEL – OBRA. E debaixo da insistência do clero inferior que NUNCA exerce “fé em Jesus” mas se submete às exigências do palácio da rainha desfigurada, o icemita de carteirinha nada entende de heresias mas repete: ICM – IGREJA FIEL – OBRA. Erro em cima de erro. Simplesmente!

CV

fonte: http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2011/12/banquete-de-ladroes/

IGREJA CRISTÃ MARANATA – DIFAMA Assembléia de Deus

IGREJA CRISTÃ MARANATA – DIFAMA Assembléia de Deus

IGREJA CRISTÃ MARANATA – DIFAMA Assembléia de Deus
Sei que poucos sabem o real teor dessa denominação. Promove alto sectarismo e exclusivismo. Afirma que só eles tem a plenitude do Espírito Santo, e são os únicos que exercitam os 09 dons espirituais.
.
Em seminários (grandes reuniões que ocorrem com seus membros em sítios isolados da civilização a fim de exaltar a ICM como a única e denegrir as outras denominações, como religião e cristianismo falido), há tempos usam a Assembléia de Deus como objeto de escárnio e exemplo a não se seguido.
.
O propósito é de denegrir a AD para que seus membros não “saiam da Obra” (como se auto referem), e vão apra outras denominações, gerando a sensação em seus adeptos de que ou é a ICM ou é a nada.
.
Vejam o áudio.
.
http://www.youtube.com/watch?v=g5RWsr6mEz8
.
Este blog denuncia as heresias dessa denominação com caráter de seita:
.
http://seitamaranata.blogspot.com/ (hoje: obramaranata.wordspress.com)
.
No blog, vejam as doutrinas e praticas arroladas à esquerda do blog.
.
Amados, o objetivo dessa postagem é para vcs divulgarem a todos nossos irmãos a não frequetarem essa denominação, que aparentemente parece séria, mas esperimentem engajar-se e filiar-se a elas, que verão todos os desastres em sua vida, como autoritarismo, escravismo, cobranças e abandonono lar e amtrimonio por tantos afazeres.

Obra revelada

A igreja Cristã Maranata teve inicio por volta de 1968, no bairro Divino Espírito Santo em Vila Velha, no Espírito Santo. Idealizada por oito antigos membros da Igreja Presbiteriana do Centro de Vila Velha.

(BOM… Já conhecemos a verdade do anjo que visitou estes homens em volta de gedelti gueiros – de Deus com certeza não foi enviado…)

Esse grupo cresceu e se tornou bastante excêntrico. Por isso classificamos esse movimento como contraditório.


LISTA DE DOGMAS E CONTRADIÇÕES DA IGREJA CRISTÃ MARANATA

1. Utilização sistemática e fundamental da Bibliomancia (de olhos fechados, abre-se randomicamente um livro, e a esmo ler um fragmento de um texto ou versículo, dependendo do teor, positivo ou negativo, se obtém, supostamente, resposta divina – chamada pela Denominação de “consulta à palavra”). É o meio pelo qual utilizam para resolver questões, dúvidas, aquisições de bens e obter direções para áreas da vida pessoal (profissional, espiritual e sentimental); bem como é o meio que usam para “consultar a Deus” sobre a procedência de dons espirituais (visões e revelações) oferecidos pelos membros; e, por fim, para tomar conhecimento se “Deus” aprova ou reprova determinada decisão administrativa da Denominação;

2. A dogmatização de uma frase, isto é, transformando em reza, chamada “clamor”, a qual consiste em iniciar orações petitórias recitando, fundamentalmente, a frase “Clamamos pelo poder do sangue de Jesus”. Toda atividade iniciada com uma devida oração é obrigatório o recite de tal reza anteriormente, seja essa atividade espiritual, profissional, seja nas dependências da instituição ou não, enfim, sob pena de Deus não atender à oração, abençoar atividade o pedido que estar a ser feito – justificam. Esquecendo ou ignorando tal frase, imediatamente, o orador é interrompido por um membro atento, o qual, então, recita a reza devidamente; porque, assim não recitando tal frase, a igreja ou, se for o caso, o pedinte, não foram purificados dos pecados, logo, não irão ser abençoados ou não estarão aptos para realizar o que, afinal, estejam a fazer em nome de Deus;

3. O Culto-Profético consiste no “momento de busca” a Deus sobre as revelações e visões a respeito das necessidades do subseqüente culto principal. A composição, geralmente, é de 05 membros ou mais, permissivo somente àqueles que são batizados na Denominação, ou que já fizeram o “Seminário de Principiantes”. É realizado 30 minutos antes de todos os cultos, e perdura comumente 15 minutos. As ditas revelações são dadas com caráter adivinhatório para saber quem, como e por que a pessoa, normalmente, o visitante, estará no culto principal; por meio da qual, no final, sempre o Senhor (ou um anjo) supostamente dá a benção à pessoa que fora objeto do dom espiritual. Por revelação, também, determinam quem serão os “varões” que ministrarão o louvor e a mensagem. Visões são dadas com cunho metafórico e também adivinhatório, seguidas pela interpretação dos ouvintes, que eles chamam de “discernimento da visão”, as quais também são a respeito de visitantes ou membros que estarão no culto principal;

• A Consulta dos dons (visões e revelações) é realizada, fundamentalmente pela “consulta à palavra” (Bibliomancia), pela qual, apresentado o dom, alguém presente no culto-profético se levanta e recita o “clamor”, logo em seguida 03 consulentes abrem as suas Bíblias, e cada um ler um versículo, revelado a esmo. Segundo eles, dependendo do teor dos versículos, obtém-se a resposta da procedência dos dons espirituais, na melhor de 03 leituras de versículos. Por exemplo, se dois lidos tiverem teor positivo e um negativo, é “amém”, o Senhor aprovou, caso contrário, não aprovou. Porém, independente da resposta dada pela “consulta”, o dom espiritual está sujeito à vontade do pastor ou ungido, que eles justificam pelo dogma ministério acima dos dons;

4. Imposição indireta (“revelações”, “sonhos”, “conselhos” – chantagem para realizar certas atividades), de Usos e Costumes: Homens devem está sempre com o rosto feito, com exceção do bigode que é permitido; bem como, em regra, é impelido o uso de roupa formalista; mulheres devem, expressamente, se ataviar apenas com vestidos e saias, e, alguns casos, o uso de certos adornos como brincos de argola são proibidos. Os membros só são considerados espirituais, “na revelação”, obedientes a Deus, conseqüentemente, fiéis e postos como permissivos para atividades e funções na Denominação se, e somente se, estiverem e seguirem piamente com tais conformes. Segundo eles, observar tais usos e costumes é ter “aparência de servo”;

5. O Batismo nas Águas só é permitido caso o membro seja aprovado por Deus – “Se o Senhor permitir” -, através da revelação da “consulta” (Bibliomancia) realizada pelo “Grupo de Intercessão” (composto por membros considerados, aparentemente, os mais espirituais da igreja local – pastores, ungidos e suas esposas, diáconos e alguns obreiros e senhoras). Deus, segundo eles, revela a tal grupo que determinado neófito está apto ou não para “descer às águas”. Caso Deus aprove, será batizado; caso contrário, aguardará alguns meses até ser, novamente, submetido à “consulta” quando for período de batismo;

6. O Batismo no Espírito Santo é feito de modo similar ao anterior, mas agora de forma particular pela Bibliomancia. No final do “Seminário de Principiantes”, na última aula, os neófitos presentes são convidados a realizarem a “consulta” particularmente, com o “clamor” antes devidamente recitado, a fim de obterem a “resposta de Deus” se eles, cada um dali, receberam o “Batismo no Espírito Santo”. O teor do versículo (a resposta) será devidamente aferido por um diácono ou pastor. Em caso de passarem pelo crivo da Bibliomancia (versículo com teor positivo), estarão aptos para ir aos próximos seminários; caso contrário, terão que aguardar um tempo, em espera ao próximo “Seminário de Principiantes” para repetir tal alto, para assim, quem sabe, ser finalmente “Batizado no Espírito Santo”. Frisa-se que a reprovação do neófito nesse “Batismo” (versículo de teor negativo), de antemão, já o proíbe automaticamente de “batizar nas águas” – “o Senhor não permitiu”;

7. Espiritualização ou veneração de objetos, tais como, arranjos de flores, o púlpito e o terno e gravata usados pelos que possuem cargos na Denominação:

• O Púlpito só pode ser utilizado por homens; já que mulheres quando pregam à igreja, em “culto de senhoras”, há de ficarem ao lado do púlpito, sem jamais ministrar sobre ele, deixando-o vazio. Frisa-se, também, que ao iniciar o culto, recitando o “clamor”, é devido que todos estejam prostrados em direção ao púlpito, logo, é proibido que algum membro dê às costas a ele; e ainda que ninguém esteja sobre Púlpito, no caso, em “cultos de senhoras”, é determinado que a senhora que ministrará a palavra, ajoelhe-se voltada para ele. Também, homens que exercem o cargo de “obreiro” que no passado foram divorciados, seja antes ou depois da conversão em Cristo, não importa, jamais devem subir a púlpito. O púlpito é tipo do altar de Deus, onde o Espírito Santo está, por isso que todos devem se voltar ao púlpito quando prostrados;

• O Arranjo de Flores é expressamente obrigatório para o processamento dos cultos, reuniões e aulas nos templos e auditórios; o qual deve ser montado somente com flores ou rosas naturais, sob a justificativa de agradar a Deus, proibido, assim, o uso das artificiais; bem como é terminantemente proibido qualquer pessoa da igreja tocar no Arranjo de Flores, pois, segundo eles, é uma tarefa revelada por Deus para que somente determinadas senhoras da igreja possam tocá-lo, ordená-lo e prepará-lo. O mesmo vale para a toalha que fica sobre o púlpito;

• O Terno e Gravata é traje eclesiástico obrigatório, pois alegam que obtiveram uma revelação de Deus de que ao se ataviarem com requinte perante as autoridades seculares, assim também, devem fazer perante a Autoridade Divina, por isso, só quem pode subir a púlpito em cultos principais são pessoas devidamente trajadas de terno e gravata;

8. A Idolatria é vigorosa, mas muito sutil e imperceptível pelos membros; veneram, espiritualizam e estimam exarcebadamente os patrimônios da Denominação, como “santos” e “sagrados”, dignos de serem depositados sobre eles até mesmo amor; inclusive em detrimento do ser humano, do próximo. Segundo eles, toda a arquitetura desenhada, a estrutura e os locais onde são erguidos são provenientes de revelação de Deus, “consultados”, inclusive a mobília segue, também, um padrão estabelecido pelo próprio Senhor Jesus. Ressalte-se que por serem tão “sagrados”, a rigor, é proibido a entrada de pessoas, de acordo com a visão deles, inadequadamente mal trajadas (informais e intrigantes) ou que não se libertaram, como maltrapilhos, homens de bermuda e camiseta, homens barbados, mulheres de calças ou bermuda, travestis, pessoas que ainda alimentam o tabagismo ou alcoolismo, etc;

• Os Templos são considerados e espiritualizados como a “Casa de Deus”, como é no judaísmo e no catolicismo, por isso devem os membros demonstrar todo amor, cuidado, apreço e zelo por ele; com efeito, se portando com extrema reverência e seriedade para não cometer algum sacrilégio; até mesmo quando não estiver havendo atividades neles;

• Os Maanains, sítios onde membros se isolam da civilização para receberem doutrinamento, são estimados como lugares separados por Deus aqui na Terra para o adorarem. É considerado como “um pedacinho da eternidade”, “onde a Obra tem mais alcance” e “onde Deus fala de forma especial”; por isso é expressamente proibido adentrarem homens vestidos de bermuda (ainda que estejam a trabalho de limpeza e manutenção) ou barbado, ou mulheres de calças compridas ou bermuda, pois é um lugar “santo” e “sagrado” que deve ser respeitado e reverenciado. Por ser um lugar “separado por Deus”, alegam que é muito comum anjos e querubins serem vistos caminhando e sobrevoando por lá dada a tamanha santificação do local, afirmam;

9. O Fundamentalismo de proibirem em orações a Deus expressões como “Paizinho”, “Papai do Céu”, “Muito Obrigado” e “Obrigado”, uma vez que não há tais palavras na Bíblia, não se devem proferir – justificam. Bem como, é considerado falta de respeito dirigir-se a Deus de tal modo, alegam que é “chulo”. “Eu te amo Jesus!” e derivadas, também, é uma expressão em oração proibida, pois a reputam como carnal e emotiva, logo, Deus não aprecia essa forma coloquial e informal de dirigir-se a Ele;

• Esportes e Lazer não são algo naturalmente aceito pela Denominação, antes são vistos como algo inclinável à libertinagem. Praticar atividades como musculação, trilha, ciclismo, corrida, natação e ginástica são rigorosamente reprováveis pela liderança e membros fundamentalistas. Alguns raríssimos ministérios, porém, não abominam, mas também não vê com bons olhos, mas sem farisaicamente acusar como pecador o praticante. Já esportes ditos radicais (surfe, skate, patins etc.) taxativamente são abomináveis. Alegam que pelo fato dos praticantes possuírem posturas irreverentes, logo, não condiz que um “servo” adote tal esporte. Inclusive, profissionais e competidores desses ramos que passam a congregar na Denominação são, jeitosamente, induzidos a abandonarem tais atividades sempre sob pretexto que “o Senhor que revelou”;

• Artes e banalidades tradicionais em geral são consideradas como “opressão”. Cinemas são terminantemente proibidos pela liderança da Denominação, alegam que é sentar-se com escarnecedores, embora, intrigantemente, em restaurantes não inclinem para tal conclusão. Teatros, por sua vez, são endemoninhados duas vezes mais, sendo alvos de escárnio em aulas e pregações. Filmes da Disney também são proibidos, desenhos animados também são reprovados pelo Presbitério. Assim como alguns brinquedos como da Hellokit (que dizem ser a representatividade de um demônio) também são combatidos junto aos pais e crianças da Denominação;

• Alimentos são proibidos a depender de sua origem e rótulo. Alimentos provenientes de festas juninas são coibidos pela Denominação, pois alegam que são oriundos de uma festa idólatra. O mesmo vale para ovos de chocolate em função do período da “páscoa” (mas barras podem comer). Tais alimentos se forem ingeridos pelos membros podem lhes trazer juízos por parte de Deus, pois comeram algo proveniente de uma idolatria ao “coelho da páscoa”, a uma festa pagã, a uma festa tradicional católica. Também, a maionese hellman’s (devido à tradução do nome) é um tempero do diabo para oprimir os “servos da Obra”, justificam;

10. O Exclusivismo é gritante, visto que, segundo eles, o fundador de sua Denominação foi o próprio Jesus Cristo, mediante uma revelação extraordinária a 06 dissidentes presbiterianos que receberam o Batismo no Espírito Santo na década de 60. Essa revelação consistia em estabelecer novamente o Corpo de Cristo, segundo eles, perdido há tempos, vivido tão-somente no período da Igreja Primitiva, pois foi extirpado durante o Romanismo e o Protestantismo. Alegam que, num dos momentos de busca, esses 06 homens foram visitados por um anjo que lhe enteregaram uma pasta com todas as orientações para reformarem o corpo de Cristo e fundarem a “Igreja Fiel”. Reputam ser os únicos que exercem plenamente os noves dons espirituais (se prendendo aos mencionados em coríntios), enquanto as demais Denominações carecem de alguns ou abominam todos, por isso se autointitulam de a “Obra Revelada” ou “Obra Maravilhosa”, muito comum, também, proclamarem, quando isolados, “a Obra é filho único” ou a “Igreja Fiel”;

11. A Intolerância Religosa é aberrante. Consideram que todas as demais denominações estão contaminadas com pragas desse mundo, motivo pelo qual as definem como “Tradição”,“Mescla” e “Movimento”, ou, simplesmente, a “Religião”. Rotulam os membros das demais denominações de “primos”, “amalequitas”, “bodes”, “filhos de Baal”, “religiosos” etc. Apregoam que se associar com qualquer um que professe uma fé cristã que não esteja sob o domínio do Presbitério da Denominação (PES), ou seja, que “não é da Obra”, é taxativamente, segundo eles, praticar o próprio “Ecumenismo”. Às vezes, em pregações de autodefesa, pelas críticas que estão a sofrer, afirmam que admitem que algumas denominações “tem Obra”; embora não permitem que seus membros visitem, comunguem, confraternizem com outras denominações;

12. O Sectarismo é intenso, pois não permitem que membros engajados à Denominação sequer possam visitar outros grupos religiosos, por mais que tais grupos sejam sérios e compromissados com Deus. Coíbem o relacionamento afetivo, a fraternidade corriqueira e casamentos de seus adeptos com os de outras Denominações. Afirmam que “Namoro só na Obra”, “Amizade só na Obra” e “Confraternizações só na Obra”. Até mesmo casamentos, batismos, confraternizações ou ordenações de ministério de parentes e conhecidos em outras Denominações, são seus membros compelidos expressamente de não irem;

13. O Proselitismo é bastante suscitado. Uma vez que se consideram os únicos detentores da plenitude e da ciência real e verdadeira do Espírito Santo, motivam seus membros “a pescarem nos aquários dos outros”, segundo eles, com o fim de libertarem as pessoas do “cristianismo falido” ou da “religião”. Sim, generalizam tudo e todos. Convidam evangélicos de outras Denominações para lhes visitarem, inclusive pastores, mas é proibido aos membros aceitarem convites de outros grupos;

14. O Autoritarismo é vigoroso de tal modo que pastores e “ungidos” (cargo probatório para a ordenação de pastor) são acobertados pela aura da “unção”; dessa forma, jamais podem ser questionados, discordados e desobedecidos, sob pena do desobediente incorrer ao pecado de “tocar nos ungidos do Senhor”. Ainda que digam que são pastores de Jesus, seu poder e autoridade são fundamentados no sacerdócio veterotestamentário, pois são postos como mediadores entre Deus e o povo; pois suas palavras, ordenanças, enfim, a sua autoridade são embasadas em “revelações”, “visões”, “sonhos” e “profecias” de Deus sobre a vida alheia. Na prática, portanto, os pastores da “Obra” são como “canais” ou mediadores entre Deus e a igreja;

• A Cobertura Espiritual, então, é doutrina da Denominação. Pessoas são diretamente subalternas e subservientes ao pastor da igreja local, tendo que sempre se justificarem para eles das suas decisões de faltar o culto ou outra atividade; bem como sempre pedindo seu aval em viajar com a família, evangelizar, realizar determinados cursos em hora de atividades da igreja etc. Namoros e casamentos, também, só serão aceitos se passar pelo crivo do pastor, posteriormente, sua permissão, observado também a opinião do Grupo de Intercesssão. É muito comum namoros serem terminados por ordens de pastores, e casamentos serem proibidos por eles, sempre embasados supostamente em revelações de Deus. Essas revelações são mais comuns vindas Do ministério, mas também podem vim de diáconos, obreiros, senhoras e professoras. Em alguns ministérios, namoros e casamentos ainda são iniciados por revelação de algum pastor, prática dogmatizada no passado pela Denominação; mas o Senhor, hoje, revogou – justificam;

• Ministério acima dos Dons é um dogma de alto cumprimento e pregação na Denominação. Consiste em que a opinião e a vontade do ministério (pastor e ungido) estar acima de quaisquer dons espirituais. Ainda que Deus, de fato, conceda um sonho, uma revelação sobre a vida de determinado membro ou mesmo sobre a vida do pastor, o pastor ou o ungido tem toda a autoridade de sustar esse dom espiritual; ainda que esse dom tenha sido submetido a “consulta” e dado positivo. Em suma, a vontade do pastor está acima da vontade do próprio Deus. Isso é facilmente observado nos “cultos proféticos” quando há supostas revelações para que determinado varão suba a púlpito, mas a autoridade do pastor pode apagar essa revelação em prol de sua opinião em escolher outra pessoa;

• Grupo de Intercessão é formado pelos membros, supostamente, mais espirituais da igreja local. Toda igreja local tem o seu. A composição é formada pelo pastor, ungido e suas respectivas esposas, os diáconos da igreja, e alguns obreiros, senhoras e professoras, visivelmente, mais engajadas e obedientes aos usos e costumes, dogmas e ordenanças da Denominação. Nele, essencialmente, é tratado sobre assuntos supervisionais, disciplinatórios e fiscalizatórios. A vida de cada membro é pauta dessas reuniões. Seus erros, suas atitudes, suas obras são aferidas e valoradas pelo grupo. Por isso, é comum que membros desse grupo sejam incumbidos, pelo ministério, para acompanharem os passos dos certos membros da igreja. Nas reuniões, por fim, decidem se disciplinam, excomungam determinado membro, ou se agraciam com determinados funções e cargos. Essas reuniões têm alto apelo carismático, sempre o grupo embasando suas decisões por dons espirituais, pela “consulta” e pelo dogma “ministério acima dos dons”;

15. O Totalitarismo é extremado, haja vista que as suas “unidades locais” (assim denominadas pelo Estatudo da Denominação, e não igrejas) espalhadas por todo o país e mundo estão plenamente subordinadas e subservientes aos quereres e ordens do órgão central da igreja, o Presbitério; o qual é absurdamente centralizador. Não há respeito pela individualidade e liberdade para o ministério local, tampouco há para com as necessidades da igreja local. Todos devem seguir pragmaticamente o modelo, as determinações e as ordens estabelecidas pelo Presbitério, pois, segundo eles, Deus é quem governa a igreja e usa tal órgão como seu representante. Mensalmente todas as “unidades locais” se reúnem para receberem doutrinamento do Presbitério, não pelos seus pastores locais, mas pelos 07 presbíteros do órgão central, mediante videoconferência. Semanalmente, todos os membros se deslocam para suas igrejas para serem recrutados e renovados na ideologia a fim de assistirem, via satélite, as diretrizes e inovações na doutrina do presidente e dos demais homens que compõem o Presbitério;

16. O Absolutismo é um apoio ao Autoritarismo e ao Totalitarismo, dado que para eles vingarem, é imperioso que os pastores e o Presbitério sejam acobertados da infalibilidade. Sobretudo o Presbitério que jamais admite os erros, sempre está certo, porque sempre age debaixo das ordens supostamente reveladas por Deus para cuidar da “Obra”, e os pastores, a seu turno, para cuidar dos membros das “unidades locais”;

17. Estabelecidos esses elementos governistas, a Hierarquia está em voga, a qual é extremamente baseada na filosofia militar, cujos cargos, seguindo a ordem crescente, são os membros, Professora, Senhora da Frente, Obreiro, Diácono, Ungido e Pastor, Coordenador do Pólo, Coordenador da Área, Coordenador Regional, Presbitério e o Presidente. Na medida do grau hierarquia, a obediência deve ser demasiadamente subalterna e submissa, baseada em revelações de Deus e na “unção hierárquica” de que cada cargo é acobertado, sob prejuízo de “tocar nos ungidos”;

18. A Censura é um meio sempre utilizado para proibir os membros a terem contato com literatura, alguns filmes, músicas em geral, ainda que sejam de caráter cristão; também é coibido a busca de estudos bíblicos sistemáticos, inclusive a Teologia Cristã é altamente discriminada, ridicularizada e abominada pelas pregações da liderança da Denominação. A literatura cristãtambém é altamente reprovada e coibida. Por outro lado, apostilas, vídeos, áudios de pregações, álbuns musicais da Denominação e livros de editoras das quais são vinculados, são comercializados em Maanains e distribuídos entre os membros. Todo produto da Denominação ou de grupos vinculados a ela (de propriedade de pastores próximos ao Presbitério) são estimados como “revelados”; ao passo que os produtos literários, musicais, didáticos, são tidos como “letra”, “religião”, “razão”, “teologia”, “sem-revelação” etc.;

• O Orkut é o meio que causa maior pavor ao Presbitério, pastores e membros, porque nele se encontra a comunidade de ex-adeptos (pastores, ungidos, diáconos, obreiros, senhoras etc.) – Já Fui Um Maranata – cujo conteúdo é bastante similar a deste espaço. Por isso, segundo eles, Deus havia revelado que o Orkut é uma arma do diabo para enganar os “servos da Obra”, por isso decretou que nenhum membro tenha acesso a esse meio de comunicação. E mais, segundo eles, a etimologia de Orkut vem do gaulês que significa: Ork: Potro e Ut: Inimigo – Potro do Inimigo;

19. O Escravismo é intenso. Toda a estrutura organizacional e administrativa da Denominação é edificada por trabalhos voluntários, salvos algumas exceções; bem como a manutenção de patrimônios fica a cargo dos trabalhos voluntários dos membros. Fazem isso sob o pretexto de estarem “fazendo a Obra”. Pois enquanto estão trabalhando para “Obra”, Deus está resolvendo os seus problemas. Em regra, Grupos de Louvores e Instrumentistas são submetidos a ensaios semanais rigorosamente. Obreiros, diáconos, senhoras de frente, professoras, pastores participam, severamente, quase todo fim de semana de seminários, mutirões de limpeza, reuniões, encontros de igrejas, sem deixar de se considerar as presenças diárias na Denominação, nas madrugadas, ao culto de meio-dia, e rigorosamente à noite, para as suas atividades de culto;

20. Os Meios de Graça é uma doutrina que, depois da Bibliomancia, é a mais importante da Denominação. São 05 Meios de Graça: Madrugada [cultos às 06h:00min da manhã], Jejum[de sábado para domingo, rigorosamente, de 00h:00min até às 09h:00min; sim, parte do jejum é dormindo.(?)], Louvor[somente os cânticos da Denominação são permitidos: são reputados como revelados direito da eternidade; assim, louvores de outros grupos, são considerados “cospel”, “da mescla”, “sem revelação” ou “do homem”], Oração [oração recitando sempre a reza do “clamor”, “segredo dessa Obra”, dizem] e Palavra Revelada [espécie de cabala, que ao decifrar supostos simbolismos, números e tipologias supostamente ocultos nas Escrituras, a pessoa foi agraciada com essa benção que a chamam de “Além da Letra”. Reputam que essa é a maneira que Deus se compraz em pregar a sua Palavra, mas só eles conhecem, pois dizem que é “segredo dessa Obra”]. Os Meios de [obter] Graça devem ser feitos periodicamente para buscarem cada vez mais Graça. Segundo eles, a Graça de Deus, vem através dessas obras ou meios, claro, sem deixar de considerarem o sacrifício de Cristo. Tais “meios”, também, servem para adquirir bênçãos de Deus ou para vencerem tribulações do dia-a-dia do servo, justificam;

21. A Liderança e as Decisões Carismáticas: são todas, absolutamente, carismáticas. Isto é, todas diretrizes, seja administrativas, doutrinárias e organizacionais da Denominação são provenientes de “revelação” de Deus. Segundo eles, “nessa Obra” não há dedo do homem como a “religião”, pois tudo é revelado. É muito comum, por isso, se notar a exaustiva repetição da frase “o Senhor revelou que…” para embasar suas decisões e afirmativas;

22. A Doutrina do Medo é extremamente implantada na Denominação. Não se pode questionar ou discordar da Liderança geral e nem do subseqüente superior hierárquico, sob pena de estar “tocando no ungido do Senhor” ou “blasfemando contra o própria pessoa do Espírito Santo”, uma vez que foi, teoricamente, o Espírito que revelou para os pôrem em seus cargos eclesiásticos. Também, a doutrina do Fatalismo é apregoada massificamente, em defesa de “não poder tocar na Obra” (questionar ou discordar das doutrinas), “tocar nos ungidos” e “sair da Obra” (ser dissidente da Denominação), pois, em caso de desobediência, o resultado seria infortúnios decorrentes do “peso da mão do Senhor” e das investidas do “adversário” (como chamam o diabo, pois o nome mesmo dele, não é elegante falar – justificam – pois seria uma forma de invocá-lo pronunciar seu nome). Proíbem, assim, que membros jamais continuem a fraternidade e a ligação com os dissidentes, sob pena de punições e excomunhão da Denominação. Apregoam a discriminação e a rejeição sobre os dissidentes, ainda que sejam familiares;

• As Punições são bastante rigorosas, as quais são advertência, cassação das funções e cargos (“banco”) e, em último caso, excomunhão. Todas as decisões, toda a doutrina que fora cuidadosamente elencada acima deve ser cumprida draconianamente pelos membros, sob prejuízo de sofrer tais sanções. Como toda e qualquer Denominação existe homens falhos, mas aqueles que caem em pecado escandaloso são julgados e excluídos. Sim, para eles existe pecadinho, pecado e “pecadão”. O pecadão é intolerante e imperdoável para eles;

23. Sobre Dinheiro, publicamente não é falado, como, por exemplo, são as cobranças de dízimos e ofertas na “Religião”, alegam. Adotam, porém, o estabelecimento do dízimo judaico, o legalismo dos 10% dos vencimentos, cobrados, indiretamente, em reuniões fechadas, em reuniões sobre batismo e em algumas aulas de Seminários, sob pena do “desacertado” ter as funções cassadas, e “diagnosticado” como “enfermo espiritual”. Em teoria, os pastores não são remunerados, pois eles não são “profissionais da Bíblia” ou “teólogos” (mas buscam a revelação de Deus), pois o certo é servir voluntariamente, já que a Bíblia não aprova isso – fundamentam (?). É muito comum eles se auto-elogiarem por causa dessa política camuflada;

23. A Maledicência e o Juízo Temerário são praxe, são demasiados sobre aqueles que abandonam a Denominação, pois, segundo eles, jamais alguém “sai da Obra” de forma nobre, honesta e fiel a Deus, mas são pessoas que estão em busca de: libertinagem e mundanismo nas igrejas. É comum, também, em reuniões fechadas e seminários nos Maanains, os dissidentes serem taxados de “caídos”, “vadios”, “pedófilos”, “alcoólatras”, “prostitutos”, “porcos”, “roubadores de dízimos”, “defuntos”, “bodes”, “adúlteros”, “perderam a Salvação” e “foram para a religião” etc. Os que refutam suas doutrinas, por sua vez, recebem a acusação de “apóstatas”, “hereges”, “serpentes da internet”, “filhos do diado”, “pastores de si mesmos” etc.

“Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas.” 2 Timóteo 4:3-4